Hospedagem: O que é, tipos, características e como escolher

Hospedagem: O que é, tipos, características e como escolher

Quando se decide criar um site ou um blog, escolher o domínio, o nome da página é o primeiro passo, e em seguida vem a parte de contratar uma hospedagem para armazenar todos os dados do site.

Mas você sabe o que é a hospedagem de sites? Para que ela serve e como escolher a melhor? A hospedagem é onde se armazena todo o conteúdo do site. Ao longo deste artigo, tudo o que se precisa saber para escolher o melhor e quais são os tipos que existem, será disponibilizado. Continue lendo.

O que é hospedagem?

Através de uma hospedagem, o site consegue ser acessado na internet. Na grande maioria das vezes, são empresas grandes que disponibilizam esse serviço, oferecendo plataforma aos clientes, como um construtor de sites.

Esse tipo de plataforma tem um custo, que normalmente é pago por ano, mas é por ali que a empresa monta o site, e armazena todos os seus dados e conteúdo. Esse tipo de serviço é fundamental para quem monta um site ou blog, e está em fase de levar sua empresa para a internet.

Os sites precisam de um servidor para poder ser acessados pelo público. Sendo assim, a hospedagem de sites é como se fosse o terreno, onde o site vai ficar alocado para ser visitado. Parece complexo no começo, mas dá para entender que sem esse terreno, não tem onde site ser encontrado.

Como funciona a hospedagem?

O serviço de hospedar um site funciona na internet, conectando as páginas da web aos servidores. Todas essas páginas ficam armazenadas em um servidor, que são carregadas através da internet, e é o que faz o site se tornar acessível.

Em termos técnicos, o servidor é o responsável por armazenar páginas de web, mas também de comunicar todas as solicitações que são feitas sobre elas. Isso quer dizer que quando um usuário faz uma busca ou digita o endereço desse site, é o servidor que responde e localiza o site procurado e exibe as páginas.

 Embora a função seja praticamente a mesma, existem tipos de hospedagem diferente na hora de escolher hospedar um site. Cada um deles trabalha de formas distintas, mesmo tendo a mesma função.

Quais os tipos de hospedagem?

Quando for escolher um plano para contratar a hospedagem, é preciso entender que existem tipos diferentes, e essas opções costumam causar certas dúvidas, principalmente para quem está começando nesse meio agora.

Os tipos de servidor de hospedagem, são basicamente:

·         Hospedagem gratuita;

·         Hospedagem compartilhada;

·         Hospedagem cloud;

·         Servidor dedicado;

·         Revenda de hospedagem;

·         VPS (que pode ser privado ou compartilhado);

Com todos esses provedores disponíveis, às vezes fica difícil escolher o que pode ser ideal para o seu negócio, ou qual deles pode ser o mais adequado para o seu site. Por isso, é importante saber as características de cada um deles.

Veja abaixo quais os tipos e hospedagem:

1.      Hospedagem gratuita

Quando os primeiros provedores de internet começaram a ser desenvolvidos na internet, lá pelos anos 90, a hospedagem era gratuita, o que hoje em dia é bem pouco comum de se encontrar.

Os servidores que oferecem hospedagem gratuita são bastante limitados, por isso a grande maioria das pessoas prefere contratar um serviço pago. Mas o que mantém os servidores gratuitos são as propagandas que eles colocam de forma automáticas sites que se hospedam sem pagar nada.

Além disso, os recursos da hospedagem gratuita costumam ser limitados, como espaço de armazenamento, limite de páginas, sem contar que só permite que os sites sejam montados a partir de ferramentas pré-prontas.

As ferramentas também são bem limitadas como o envio de FTP e outros recursos. Mas ainda assim é uma opção que ainda existe, para usuários iniciantes ou para quem não necessita de tantas ferramentas. É uma boa opção para quem está começando e aprendendo.

2.      Hospedagem compartilhada

Esse tipo de hospedagem é mais popular. Grande parte dos sites que existem na web utilizam essa modalidade de compartilhar um servidor em comum. O custo benefício é o que chama a atenção, já que o preço é bem em conta e competitivo com os outros tipos pagos.

Os valores da hospedagem compartilhada ficam barata, porque o preço é rateado e dividido entre todos os clientes que se hospedam no mesmo servidor. Na grande maioria das vezes, os sites e blogs de empresas, institucionais, optam por essa modalidade.

Outro ponto importante dessa modalidade de servidor de hospedagem, é que todo o hardware e software do servidor, precisa ser estável, já que nessa modalidade, a carga costuma ser alta, e todo o equipamento precisa suportar as informações e manter o tempo de serviço funcionando corretamente.

3.      Hospedagem cloud

Também chamada de nuvem, a hospedagem cloud é compartilhada também, mas possui vantagens diferentes da hospedagem compartilhada comum. Nesse caso, os computadores ficam ligados, o que em termos técnicos é chamado de imagem única do sistema.

Esse tipo de imagem única usa um conceito diferente, é como se quem visse o serviço do lado de fora da rede, não conseguisse perceber quantos servidores existem ali, ou se existem algum problema ou defeito.

O Google é um ótimo exemplo disso. Ao realizar uma busca rápida dá para perceber que existem mais de 2 milhões de servidores em todos os datacenters que existem, sendo em torno de 16. Nove deles estão nos Estados Unidos, quatro na Europa, dois na Ásia e um na América do Sul.

Para quem usa esse tipo de servidor, é como se existisse um só. Os usuários na maioria das vezes não sabem quando uma máquina falha, ou quando são substituídas, quando precisam de algum reparo, o que importa é o que o sistema continua funcionando.

O conceito de hospedagem em nuvem foi fortemente investido nos últimos anos, e são provedores bem avaliados. Uma das principais vantagens é que se um servidor falhar, o site logo é repassado para outro de forma automática, seja por perdas ou falha no desempenho.

Outro ponto é que se um provedor tiver fazendo uso de um datacenter em localizações diferentes, os sites duplicados podem ser realocados para datacenters diferentes. Dessa forma não há perigo de alguém solicitar acesso a um site e receber a cópia dele.

Nesse caso, ele acessa o que estiver mais perto ou com menos pontos de conexão próxima, de forma mais rápida. O que para quem entende são pontos bem importantes de se levar em consideração.

4.      Servidor dedicado

De todos os serviços citados este é o mais caro de todos. Ter um servidor físico dedicado totalmente a um único site, é bem caro já que existe muito maquinário investido, manutenções e uma série de outras coisas que elevam esse custo.

Quando se contrata um servidor dedicado, é preciso instalar um datacenter, para que o gerenciamento possa ser feito e isso exige conhecimento ou um profissional qualificado para gerir e resolver possíveis problemas, sem contar na questão da segurança.

5.      Revenda de hospedagem

Esse tipo de hospedagem é como se fosse basicamente um processo de terceirização. Uma empresa de hospedagem contrata outra para hospedar seus clientes em outro servidor de hospedagem.

O que não é muito vantajoso já que o custo é maior, e o usuário poderia contratar o serviço sozinho. Mas ainda é mais barato do que outras opções, e os recursos dessa modalidade são maiores, mas o usuário nunca sabe quem realmente hospeda seu site.

6.      VPS

A hospedagem VPS, a sigla vem do inglês e quer dizer Virtual Private Server, ou seja, Servidor Virtual Privado. Nesse tipo de hospedagem o usuário possui diversos outros recursos e possui mais liberdade para poder trabalhar com uma máquina virtual que é cedida a ele.

Essa máquina virtual é um tipo de software, que executa diversos programas. É como se fosse um computador mesmo, que pode realizar alguns processos importantes para quem entende de virtualização.

Ela é como se fosse uma duplicada real e eficiente isolada, uma cópia feita de um sistema físico só que em forma de software. Um provedor de hospedagem que usa o servidor VPS, trabalha com um computador virtual, onde se pode fazer tudo à sua maneira.

É como se tivesse um servidor privado, uma hospedagem dedicada para usar, mas com um custo muito menor. Funciona da mesma forma, porém na prática é um ambiente compartilhado.

Dentro do mercado hoje, existem basicamente dois tipos de hospedagem VPS:

Máquinas virtuais

Nessa categoria, a hospedagem é chamada de hipervisor, que na verdade é um software, que cria e gerencia as máquinas virtuais que são hospedadas em um servidor físico. Esse software é o ponto mais importante, é através dele que se limita os servidores virtuais, limite de armazenamento, etc.

Todo o espaço usado, transferências e ajustes são feitos através desse software, mas para isso, o provedor contratado deve permitir tais modificações, que podem aumentar ou diminuir os recursos de acordo com o plano que é contratado.

Containers

Já a modalidade de containers é um outro tipo de virtualização que ajuda a aumentar o espaço. Os containers são como um tipo de recurso oferecido dentro da hospedagem VPS, que dá suporte para aplicações serem executadas.

Essas aplicações podem ser, por exemplo, o servidor web para hospedar um site. O software que faz o gerenciamento dos containers, são como aplicativos, que ao invés de criar máquinas, te permite executar diversas aplicações como servidores, bancos de dados, etc.

É um tipo de gerenciador oferecido pelo servidor de aplicativos, que pode executar serviços de forma individual. A grande diferença entre a máquina virtual e o container é essa. Enquanto o primeiro possui um sistema operacional dentro do container, o segundo tem menos camadas para executar uma aplicação.

De forma prática, os containers são mais rápidos em agilizar processos, o que também reduz o risco de falhas, diferente de um software que é mais complexo. Porém, a desvantagem desse tipo de recurso é que eles também não possuem qualquer tipo de flexibilidade.

Mesmo em isolamento das máquinas, qualquer tipo de falha ou um vírus, pode ser uma grande falha no sistema de segurança, e isso vai impactar diretamente o servidor que estiver em execução.

Níveis de gerenciamento em servidor de hospedagem VPS

Deu para perceber que a hospedagem em VPS é mais complexa e exige conhecimentos mais técnicos para trabalhar com ela. Mas ao optar por esse tipo de hospedagem, também se pode escolher a forma de não gerenciamento. Veja como funciona.

VPS sem gerenciamento ou semi-gerenciado

Quando se trata de servidores web, é preciso falar sobre infraestrutura, equipamentos, aspectos físicos de uma rede, componentes, e por aí vai. No caso dos softwares e sistema operacional, esses exigem uma atenção um pouco mais especial.

De todos os sistemas operacionais, os que são usados na hospedagem VPS, elas sofrem atualizações diretas para fazer melhorias e também corrigir bugs, melhorar algum tipo de vulnerabilidade, etc.

Quando o usuário escolhe a hospedagem de VPS sem gerenciamento, é ele quem fica responsável por realizar essas atualizações e correções. Nesse caso a empresa não se responsabiliza ou faz qualquer interferência.

Como as necessidades de atualização são constantes, elas também exigem backups e verificações periódicas, e no caso de contratar um servidor sem gerenciamento, tudo fica a cargo e responsabilidade do usuário.

Quando o VPS é sem gerenciamento, toda a administração é feita por Shell/ssh (que é uma linha de comando) para servidores Linux ou RDP para Windows. Sendo assim é uma opção recomendada apenas para especialistas e técnicos que vão saber operar essas atualizações.

Já a opção semi-gerenciada, condiz com certa administração realizada pela empresa, uma parte dela apenas, e a outra fica a cargo do usuário. Nesse caso, o painel de administração e outros recursos básicos como consumo de VPS é feito pela empresa e o restante fica a cargo do usuário.

Embora essa modalidade seja mais barata do que a opção gerenciada, como já foi dito, é preciso conhecimento técnico do usuário. Entender de rede entre outras coisas se torna fundamental principalmente por questão de segurança.

Hospedagem VPS gerenciado

Já a opção de servidor VPS com gerenciador, as atualizações, correções e tudo o mais que for necessário fica a cargo da empresa que pode realizar o serviço dentro do plano contratado. Nessa modalidade o usuário fica tranquilo e sem responsabilidades sobre qualquer tipo de atualização ou configurações operacionais.

Ao contratar um servidor gerenciado para a hospedagem do site, a empresa realiza as monitorações necessárias, além de garantir a estabilidade do serviço e também a segurança dos dados e informações que são disponibilizados ali.

Nos casos do VPS gerenciado, também existe um ponto interessante em se levar em consideração que o painel de controle. Que ao contrário do que parece, é mais robusto do que os que estão disponíveis das modalidades sem gerenciamento ou semi-gerenciado.

Isso porque nesse caso, o painel de controle é escolhido pelo usuário, e por isso é mais poderoso do que os encontrados em outros tipos de serviços de hospedagem mais tradicionais.

Sem contar que grande parte das empresas que escolhe a hospedagem de VPS gerenciado, contrata alguns serviços a mais, como os backups periódicos, o certificado SSL, entre muitos outros.

Como escolher uma hospedagem?

Com tantas opções, formas de gerenciar, modalidades, servidores e empresas, também é preciso pensar nos planos que cada uma dessas opções têm a oferecer. Sendo assim, antes de definir que tipo de hospedagem contratar, verifique quais são as necessidades do site.

Depois disso, analise quais tipos oferecem planos que são essenciais ao que se precisa, e também velocidade, confiabilidade, custo, entre outros. Na hora de escolher o tipo de hospedagem, é preciso pensar em escolher um que atenda a demanda.

Sendo assim, algumas perguntas e pontos importantes precisam ser levados em consideração antes de escolher o melhor tipo de hospedagem para contratar, como por exemplo:

·         Se oferece domínio grátis;

·         Qual o limite de armazenamento?

·         Qual a largura da banca?

·         Se vai ser uma hospedagem dedicada ou compartilhada;

·         Se possui e-mail comercial;

·         Se tem certificado SSL grátis;

·         Se é rápido;

·         Qual a duração do contrato?

·         Se oferece revisões da hospedagem na web?

·         Qual a disponibilidade que o suporte oferece ao usuário?

·         Quais as demais garantias com o tempo de atividade.

Existem tipos de hospedagem para cada tipo de situação e necessidade, o mercado é enorme. Mas depois de fazer essas perguntas, descobrir o tipo de hospedagem que quer contratar e o plano, é a hora de escolher o provedor, ou a empresa que oferece isso.

A escolha de um servidor para hospedagem pode ser mais complexa do que parece, mas na prática é só procurar por aquilo que o site precisa. Ao montar sites, e-commerces ou blogs, inicialmente se pensa em tráfego de moderado a alto, e isso exige armazenamento.

Então no processo de escolha é preciso pensar dessa forma, e também adquirir outros benefícios que a hospedagem possa oferecer como um processamento mais rápido para esse tipo de acesso, caso haja um pico de visitas por exemplo.

É válido ressaltar que sites muito grandes, ou com quantidades de imagens muito grandes, podem demandar e exigir uma hospedagem dedicada. Ou caso o site tenha muita visibilidade ou uma audiência grande que acessa direto, escolher uma hospedagem dedicada pode ser a solução para aguentar toda essa carga.

Em contrapartida, uma hospedagem mais simples pode ser a solução para um site menor, que não possui muitas visitas. Além de ter um custo benefício melhor, sempre é possível aumentar o plano depois ou até mesmo trocar o tipo de servidor.

Caso ainda restem muitas dúvidas sobre como escolher, sempre é possível consultar um especialista para saná-las. Um profissional capacitado será capaz de ajudar e informar quais suas reais necessidades para alocar o site de forma eficaz e sem gastar mais do que o necessário.

Como saber a hora do upgrade?

Se optar por escolher um servidor de hospedagem menor e com o tempo o site começar a ter uma visibilidade maior, muitos acessos e o tráfego melhorar, é o momento de fazer um upgrade de plano, ou até mesmo de hospedagem, caso o atual não comporta mais as necessidades.

Quando se tem um plano de hospedagem compartilhado, por exemplo, e o máximo de recursos dele já não é mais o suficiente, é preciso trocar para outro tipo. Por isso, existem maneiras corretas de trocar de servidor, para não perder nada e de forma segura.

Quando se armazena dados sensíveis e importantes, ou no caso de e-commerces que dados de pagamento são informados ou dados de processamentos, existem os tipos de hospedagem mais adequadas para isso, e o upgrade correto para evitar quebra de segurança ou roubo de dados.

Mas antes, veja como funcionam as etapas de hospedar um site. Normalmente esses processos são feitos de forma automática, e no caso da troca ou do upgrade para um plano novo ou um novo servidor, existem instruções que precisam ser realizadas.

Como se hospeda um site?

Não é tão complicado quanto parece, mas contratar um serviço de hospedagem e realizar o processo de hospedar o site é bem simples. Depois de escolher o tipo de hospedagem que quer contratar, os passos devem seguir as instruções de cada uma das modalidades.

Cada plano oferecido pelo serviço de hospedagem deve corresponder a necessidade do site, e com isso, durante a instalação da hospedagem, também é possível já realizar a compra do domínio, caso o plano comprado não ofereça essa opção.

De uma forma geral, as etapas de hospedar um site funcionam da seguinte forma:

·         1. Decida o plano que quer contratar no servidor da hospedagem levando em consideração o que você precisa;

·         2. Escolha a empresa que oferece o que o seu site precisa;

·         3. Compre o plano correto;

·         4. Escolha o domínio (caso o provedor do seu plano de hospedagem ofereça essa facilidade);

·         5. Conecte a hospedagem do servidor ao seu site.

Caso precise de mais orientações, depois de comprar o plano de hospedagem, suporte técnico irá auxiliar nesse processo. Portanto, para quem não entende muito de informática ou internet, é preciso levar em consideração a assistência do suporte ao contratar o serviço.

É o suporte técnico que vai te ajudar e tirar dúvidas sobre qualquer ponto ou configuração diferente que precisa fazer, para instalar a hospedagem ou fazer um upgrade mais tarde.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *