Assim como possuir uma loja no Instagram pode ser muito positivo para um empreendedor, usar o Magento para desenvolver o próprio e-commerce pode ser algo muito positivo.

Proveniente do grupo Adobe, essa é uma das plataformas mais completas para a geração e manutenção de um e-commerce.

Antes de mais nada, é preciso trazer à tona o contexto em que foi criado o Magento. O ano era 2008. Coincidentemente, um dos momentos de maior relevância para a história do ramo da tecnologia..

Foi nesse mesmo ano que diversos acontecimentos importantes ligados a inovação e tecnologia, área em que é possível alocar o Magento, aconteceram.

Por exemplo: foi nesse ano que foi lançado o Google Chrome. Mas além disso, foi o ano em que o e-commerce fechou com mais de 30% de crescimento no ano, segundo matéria do Jornal Extra do dia 9 de janeiro de 2009.

E não foi por acaso. O ano de 2008 foi marcado pelo início de uma crise financeira que teve como ponto de partida a “Bolha Imobiliária” dos EUA.

Essa crise afetou diversos negócios. Desde empreendimentos corporativos até empresariais.

Mas enquanto muitos tiveram suas empresas quebrando, alguns viram na internet uma oportunidade de reduzir custos e escalar negócios.

E nesse aspecto a criação do Magento fez-se crucial para a implementação de novos domínios na internet como e-commerces.

E contar com uma plataforma de desenvolvimento de e-commerces como o Magento é algo indispensável.

Não à toa foi uma das maiores aquisições do grupo Adobe: US$1,68 bilhões.

Por isso, para que os leitores conheçam mais sobre a plataforma, aprendam como usar e aprendam dicas sobre Magento, aqui está o artigo.

Magento: e-commerce

Antes de mais nada, é preciso ressaltar que Magento é uma das plataformas mais recomendáveis para ter um e-commerce.

A Gartner Group fez uma avaliação que levava em consideração diversos critérios e estabeleceu que Magento é uma das plataformas que lideram o mercado dentro de seu ramo de negócios.

Inegavelmente, essa plataforma oferece o melhor da visão de negócio, implementação de inovações, suporte e experiência do cliente e diversos outros aspectos.

Não à toa várias contas estão em seu portfólio, tais como Nike e Melissa.

Mas o que faz dessa a escolha entre grandes empresas para a geração e manutenção de seus e-commerces é o seu grande diferencial do restante do mercado.

Seja a facilidade para a criação de um e-commerce, seu código de fonte aberto, a possibilidade de usar a função de armazenamento em nuvem ou suas diferentes formas de customização.

São tantos os atributos presentes no Magento que seria difícil listar um por um. Mas um aspecto crucial de ressaltar é que essa plataforma se adequa às necessidades de diferentes tipos de loja.

E eis um dos aspectos que levaram os “grandes” mencionados anteriormente a optar por essa plataforma na hora de formatar seus e-commerces.

Para fins de exemplificação: a receita anual da Nike em 2021 foi de US $44.6 bilhões.

E segundo a consultoria da empresa, a McMillan DooLittle, executivos da Nike trouxeram um dado que mostra a força do digital para a empresa. Os negócios de e-commerce da Nike cresceram cerca de 70% em 2020.

Então, a partir dos valores fornecidos é possível ter um parâmetro do quanto a Nike fatura na internet.

E isso mostra a autoridade da Nike e também do Magento em ser a plataforma de e-commerce escolhida por uma empresa de receita bilionária.

Confira a definição de ComSchool sobre Magento.

Como funciona a plataforma Magento?

Basicamente, Magento é uma plataforma de código aberto. Ou seja, possui uma certa semelhança com outra grande plataforma ligada à internet, a WordPress.

No entanto, essa é voltada para a criação de e-commerces enquanto WordPress possui um caráter mais amplo para a criação de sites.

Ou seja, o Magento pode ser alterado por qualquer pessoa de qualquer lugar do mundo. Mas, claro, desde que tenham domínio sobre programação. E também é indispensável que tenham uma afirmativa da moderação da comunidade de programadores do Magento.

Aliás, os conhecimentos para lidar com o código do Magento são de nível avançado. Por isso, é de extrema importância contar com um especialista para lidar com questões que envolvam a plataforma.

Seu sistema está escrito em PHP. O case de sucesso que faz uso dessa configuração já foi mencionado anteriormente no texto: o WordPress. Mas além dele há também o WooCommerce e outros mais.

Basicamente, aqueles que manuseiam os códigos abertos do Magento podem adequar essas plataformas de acordo com as demandas do mercado.

É claro: existem outras plataformas que seguem o mesmo conceito. Mas nenhuma que consiga ter o caráter modular tal como faz o Magento.

Aliás, é justamente essa configuração modular que torna seu sistema tão fácil de manusear para quem entende do assunto. Consequentemente, esse é um dos aspectos que facilitou a entrada desse produto no mercado brasileiro de e-commerces.

Enfim, um outro aspecto sobre o funcionamento do Magento e seu caráter modular 

é: há uma grande facilidade de implementação de recursos exteriores ao Magento.

Tais como formas de pagamento, integração com e-mail, etc.

Enfim, o entendimento do funcionamento do Magento é algo que não deve fazer tanta diferença para um empreendedor quanto para um especialista.

Por isso, abaixo é possível conferir quem usa o Magento de forma técnica ou aplicada.

Quem usa o Magento?

No fim das contas são três os usuários do Magento: técnicos, empreendedores e consumidores.

Afinal, esses três níveis de envolvimento com Magento são inegáveis, uma vez que é necessário ter quem projete um e-commerce; o dono do e-commerce; e um consumidor no e-commerce.

Primeiramente, os técnicos que usam o Magento são, em sua grande maioria, Web Designers.

Além das facilidades que essa plataforma oferece aos desenvolvedores de um site para e-commerce, Magento é, majoritariamente, uma das plataformas mais escolhidas por experts na área.

Ao menos uma grande maioria dos profissionais de ponta fazem uso dessa plataforma para a criação de e-commerces.

Mas, afinal, como é que sabemos disso? Bem, simples! A partir das empresas que fazem o uso do Magento como plataforma para a criação e manutenção de e-commerces.

Nike, Coca-Cola, Melissa, Asus, Ford, Saraiva e muitas outras grandes empresas fazem o uso dessa plataforma.

E visto o porte das empresas, é de se suspeitar que os profissionais contratados para lidar com a formulação de seus e-commerces sejam ótimos profissionais.

Ou seja, mais um ponto para Magento: é um das “top plataformas” escolhidas entre os melhores experts em Web Design de E-commerces.

Agora que os leitores conhecem mais sobre dois níveis de usuários do Magento ( Empresas e Especialistas), é possível introduzir que os clientes também fazem uso do Magento.

É possível inferir isso pelo simples fato de que algumas das lojas mencionadas são referências dentro do universo de compras e vendas virtuais.

Saraiva é uma referência para a compra virtual de livros, e isso é inegável. E ao entrar em sua página do Reclame Aqui é possível observar pouquíssimas reclamações sobre sua plataforma de vendas digitais.

E é justamente pelo caráter de fornecer a melhor experiência do usuário em seu e-commerce que Saraiva se destaca com Magento.

Magento: Download

Uma ótima dica para quem quer começar uma loja virtual é: baixe Magento. Esse comentário pode soar um tanto tendencioso. Afinal, aqui houveram muitos comentários positivos sobre essa plataforma.

Bom, de qualquer forma, essa acaba sendo uma das plataformas de criação e manutenção de e-commerces mais usadas no mercado digital..

E saber como fazer seu download pode ser um divisor de águas para formular um posicionamento coerente com a marca em um e-commerce.

Por isso, aqui está o primeiro passo para fazer seu download. Primeiramente, é necessário acessar a página de download da plataforma.

Em seguida, é preciso escolher a atualização mais recente para fazer o download. O próximo passo é criar uma conta na plataforma. Para isso é preciso selecionar a opção de criar uma conta.

Depois disso, basta fazer a instalação após a conclusão do download.

Em seguida, a próxima etapa demanda um pouco mais de atenção: é necessário descompactar o arquivo em .zip. Se for o caso do download acontecer num cPanel, não há motivo para complicações. Ele pode ser extraído para o próprio servidor.

Mas caso esteja sendo usado um servidor compartilhado num cPanel, atenção: isso pode ser negativo.

E, por fim, ao passo que o acesso pode  não ser feito por meio de um cPanel, talvez trate-se apenas do upload dos arquivos após suas respectivas extrações. Por sinal, esse seria o meio mais simples.

Confira nesse vídeo da iConectado que contém informações sobre como fazer o donwload do Magento.

Magento: Preço

Afinal, quanto custa a plataforma Magento? Bom, os preços médios giram em torno de R$10.000. Mas esse preço pode variar em até 8 vezes mais. Isso para a implantação do e-commerce. Já a manutenção gira em torno de R$800 até pouco mais que 3 vezes desse valor. Ou seja, R$3000. 

Bem, esse pode não ser tão acessível quanto outros recursos para e-commerces na internet. No entanto, a partir do texto foi possível introduzir alguns aspectos que tornam esse um bom investimento.

Essa seção dispensa comentários sobre essa plataforma. E trazer algumas alternativas mais acessíveis como Shopify. Essa surgiu como uma maneira de democratizar o espaço do e-commerce a partir de uma logística diferente do Magento.

E grandes empresas usam seus recursos em suas páginas de vendas: Grupo Arezzo, Grand Cru e Pampili. E claro, muitos empreendedores digitais também.

Não há nada de errado em optar por plataformas como essa pela baixa precificação do ticket médio. 

Muito pelo contrário, isso pode ser positivo e contribuir para experimentar fórmulas diferentes de posicionar digitalmente para vendas a partir de um e-commerce.

No entanto, cabe dizer aqui que a extensão dos recursos de Magento são superiores.

Aqui está um vídeo do Mario Sam sobre o preço do Magento.

Magento Brasil

Aqui apareceram várias marcas que atuam com Magento no Brasil. Entre elas, muitas são brasileiras ou atuam no Brasil. Mas algumas outras que podem estar presentes na lista são: Evoke, Nescafé, Riachuelo, Hot Buttered e Mueller.

Todas são empresas tradicionais dentro de seus ramos e estão à frente de diversos projetos no e-commerce a partir do uso de Magento.

Por ser a liderança nas plataformas de e-commerce em 2019 os dirigentes da Magento no Brasil visam expandir sua presença e reposicionar a empresa no Brasil.

Isso aconteceu como desdobramento da compra pela Adobe à Magento. Agora, com um time de superiores mais experientes, a empresa está buscando expandir seus horizontes, assim como aumentar o fluxo de caixa.

A expectativa, segundo declaram especialistas como Stella Guillaumon, a responsável pelo cargo de Gerente Geral da Magento Latam.

Declarou também que a empresa busca credibilidade, flexibilidade e profissionalismo. Valores implícitos tanto na estrutura organizacional de sua empresa, quanto no funcionamento da plataforma para e-commerce.

Um aspecto sobre essa nova formatação da Magento é que a empresa estará se vinculando cada vez mais a seus clientes “mais estratégicos”.

Ou seja, é possível que a partir dessa demanda interna da Magento a empresa busque se impulsionar por meio de marcas capazes de tornar seus serviços reconhecidos.

Aliás, essa é uma ótima estratégia que para aplicar com agências de marketing digital, estrategistas, criadores de funis de vendas e afiliados.

Magento Open Source está acabando?

Alguns boatos permeiam na internet de que Magento Open Source está enfrentando problemas.

O que, em partes, não é verdade. Afinal, tudo que pode estar acontecendo de “mais ameaçador” para a plataforma de e-commerce é o surgimento de uma que esteja em seu nível.

Só que a partir da aquisição pela Adobe alguns anos atrás, a empresa Adobe criou o Adobe Summit 2021.

E nessa apresentação do novo produto, foi observado que alguns aspectos do Magento e do Adobe Summit poderiam se interligar.

Então a ideia de que adobe Summit substitui a funcionalidade de Magento Open Source é um erro.

Ao passo que o que está sendo feito pela Adobe nada mais é do que uma integração à A.E.M. (Adobe Experience Manager).

Ao que tudo indica, um fork de Magento deve estar para acontecer nos próximos tempos trazendo uma maior amplitude de funcionalidades.

Portanto, não existe nenhum intenção em abandonar o projeto por parte dos desenvolvedores da Adobe.

Na verdade, agora a plataforma passa por um processo de transformação para melhor atender seus usuários e clientes.

Além disso, Magento possui mais de 300 mil desenvolvedores em código aberto. Então sua comunidade forte foi também um dos aspectos levados em consideração, com toda certa, pela empresa Adobe.

Afinal, um projeto dessa magnitude aplicando mais de 8600 forks para fazer com que a plataforma continue existindo só pode justificar uma necessidade de estender sua existência para que continue entregando resultados satisfatórios aos web desenvolvedores, empresas e seus clientes.

Confira nesse vídeo de Bis2Bis abordando alguns dos erros de quem usa o Magento com o apresentador “Galegas”.

Por que usar o Magento?

Sem muitas delongas, aqui estão os principais motivos para usar o Magento.

Primeiramente, essa plataforma possui uma configuração open source. Isso possibilita uma constante aprimoração e melhoria dos recursos presentes nesta plataforma.

Não só isso, mas também é possível aplicar as próprias aprimorações. Mas desde que se tenha o conhecimento necessário para mexer na fonte da plataforma.

Outro aspecto favorável ao uso de Magento encontra-se no oferecimento de diferentes recursos de API’s que permitem a criação de novos App’s; integrar um e-commerce a sistemas CRM e ERP; incorporar métodos de pagamento; incluir ferramentas de gestão de conteúdo e desenvolver widgets de JAVAScript.

Além desses pontos favoráveis ao uso do Magento, a facilidade e a alta maleabilidade do site perante a personalização é um aspecto chave.

Usuários podem fazer alterações em seus sites e deixar seus comércios virtuais o mais próximo possível de suas idealizações.

Além disso, dentro de Magento é possível implementar extensões que melhoram a experiência do usuário.

Sejam as extensões de suporte ao cliente, otimização do site ou segurança de pagamentos.

Fora os aspectos ligados àquilo que fica “atrás dos holofotes”. Por exemplo: Magento oferece recursos que ajudam a medir a velocidade da página do e-commerce.

A criação de cupons de descontos também é um dos fortes dessa plataforma de e-commerces. Aliás, quando se trata de experiência do cliente, possuir cupons de desconto é algo indispensável como forma de conversão de lead.

E esses são apenas alguns dos diferenciais cabíveis para tratar aqui no texto sobre Magento. Mas existem vários outros que podem ser muito positivos para quem monta seu site nesta plataforma.

Nesse vídeo algumas contrapartidas de Magento foram apresentadas por gCampaner Agência Digital. Vale ressaltar que os comentários expressam a ideia de que o apresentador do vídeo apenas não conseguiu ter afinidade com Magento.

Afinal, para quem é o Magento ?

Antes de mais nada, é importante introduzir que o uso do Magento fica restrito a técnicos e pessoas com tempo para destrinchar essa plataforma.

De forma diferente das plataformas que fornecem host a partir de aluguéis, por meios do Magento é preciso manter o site em funcionamento por conta própria.

Por isso, caso haja interesse em ter um e-commerce com Magento, nada melhor do que contatar um especialista.

Isso poupará tempo e esforços. A não ser que seja interessante para os leitores estudarem mais sobre o assunto.

E por falar em poupar tempo e esforços, contar com uma empresa comprometida a colaborar com o Marketing Digital de um e-commerce pode ser um divisor de águas.

Nós contamos com uma equipe de profissionais capazes de suprir suas demandas. Seja frente ao posicionamento em Redes Sociais. Seja na contribuição para gestão do CNPJ MEI. Ou então para traçar estratégias de marketing, como proposto inicialmente.

Fazer um orçamento está a um clique. Basta enviar mensagem por meio do nosso WhatsApp.

E caso haja dúvida de que Magento é bom, é importante saber que essa é a plataforma ideal para qualquer e-commerce.

Terceirizar o serviço de montar uma página e fazer manutenção no Magento não implica nos retornos que podem ser obtidos a partir da qualidade dessa plataforma.

Por isso, saiba: Magento é o melhor para você! E os exemplos de empresas aqui presente mostram isso.

Conclusão

A partir desse artigo foi possível introduzir uma série de aspectos cruciais sobre essa que é uma das mais importantes plataformas para e-commerces: Magento.

Seja por sua versatilidade devido ao caráter de código aberto ou por sua suscetibilidade a adaptações ao mercado, essa plataforma possui uma vantagem entre a grande maioria da concorrência de plataformas do ramo.

Não à toa grandes empresas tais como Nike, World Tennis, Burger King, Microsoft, Samsung e Ford a usam como plataforma para e-commerce.

Aliás, o faturamento do Magento cresceu 10 vezes antes do período da pandemia, em 2020. E seu faturamento global cresceu mais de 15%, segundo dados fornecidos pela empresa.

Além disso, Magento apresenta um aumento constante em sua quantidade de parceiros. O número de parceiros no período mencionado anteriormente aumentou em 40%.

E isso não é nada comparado ao potencial de Magento em conseguir firmar novas parcerias com grandes empresas que buscam migrar para o digital.

Durante o ano de 2019 Magento conquistou novos contratos com grandes empresas como Havan, Nestlé e Puma.

Ou seja, ter um e-commerce parceiro com Magento significa ocupar espaços similares ao de grandes empresas consolidadas no mercado.

E se isso não significar nada para os leitores, é importante que assimilem o potencial de um e-commerce no Magento. Isso partir da presença de empresas como essas na plataforma.

Buscar escalar o próprio negócio por meio da internet é algo que todo empreendedor deve fazer.

Mas usar as melhores ferramentas e recursos como o Magento para isso pode ser um divisor de águas.

Por isso, contar com profissionais que tenham afinidade com a criação de e-commerces por essa plataforma pode ser muito útil. Não apenas isso, como também é um investimento válido e passível de trazer bons frutos!

Enfim, que a partir desse artigo fiquem claras dicas e ponderações .

Deixe seu comentário