SEO deve ser considerado como um conjunto de estratégias para otimizar sites, blogs ou páginas de web. Com intuito de melhorar o posicionamento dentro dos buscadores de forma orgânica e gratuita.

SEO é uma das principais ferramentas do Google e do marketing digital. Em suma, a plataforma possui robôs que qualificam a veracidade dos artigos. Dessa forma, os textos que estão no ranking de pesquisa, obedecem a regra máxima de aptidão. 

Existem muitas formas de otimizar o Search Engine Optimization de determinado site. Usando palavras chaves, orações secundárias, links internos e muitos outros. Sendo assim, nós da Visão Confiável decidimos separar algumas dicas essenciais de SEO para quem quer descobrir como deixar o site na primeira página do Google. 

21 dicas de SEO para otimizar e ranquear artigos no Google.
Fonte: Visão Confiável

Neste artigo você verá:

  • O que é SEO?
  • O que e quem faz um SEO?
  • Vai entender os motores de busca.
  • Quais os principais fatores de ranqueamento?
  • Qual a diferença entre CEO e SEO?
  • Como usar SEO?
  • O que são palavras chaves?
  • Como fazer estratégias de forma eficaz.
  • Formas de atualizar os conteúdos frequentemente.

O que é SEO?

SEO é a sigla para os termos em inglês, Search Engine Optimization, que pode ser traduzido como otimização para mecanismos de busca. De uma maneira geral, se trata de estratégias que visam melhorar o ranqueamento de sites, blogs ou páginas de web em um buscador.

Para entender melhor esse conceito, é preciso levar em consideração que existem milhões de pesquisas feitas a todo momento nos buscadores online. O mais usado de todos eles, ainda é o Google, e por isso, entender como fazer essa otimização é tão importante.

Sempre que um usuário realiza uma busca para tirar suas dúvidas, os algoritmos do buscador fazem uma varredura em tudo o que existe online. Visando encontrar a melhor resposta e assim, solucionar a dúvida do interessado.

Sendo assim, para conseguir identificar quais seriam as melhores respostas, o Google organiza os seus conteúdos em um ranking. Mostrando sempre em primeiro lugar, as melhores respostas. Por isso, que a grande maioria das pessoas acredita nesse buscador.

Os três primeiros links que aparecem na busca do Google, normalmente recebem 30% dos cliques de forma orgânica, gratuitamente. Somente 0,78% dos usuários sai da primeira página de resultados. Com isso, é possível entender a importância de ficar entre os primeiros colocados.

Além de ganhar mais visibilidade e mais acesso através de tráfego orgânico, isso garante mais resultados e maneiras de manter uma presença online. Contudo, é importante conseguir provar para o Google, que o seu conteúdo oferece as melhores respostas.

Isso pode ser feito de várias formas, com intuito de conquistar mais autoridade no mercado. Usar uma boa escaneabilidade entre várias outras estratégias que também engloba técnicas de marketing e a criação de conteúdo para atender a audiência.

O que faz um SEO?

O profissional responsável por atuar nessa área, é conhecido como Analista de SEO. Ele pode ser necessário para desenvolver estratégias de marketing digital. Usando especialidades e conhecimentos técnicos para melhorar os resultados de determinado site.

Entender o marketing de buscas faz parte de suas aptidões e por isso, é fundamental entender, as dimensões do marketing online. Saber como os buscadores funcionam e com isso, conseguir alavancar métricas usando as melhores estratégias.

O Analista SEO é o profissional que atua com o Search Engine Optimization e suas diversas ferramentas dentro do conteúdo. Normalmente ele realiza Seo curso, para aprender e desenvolver seus conhecimentos na área e assim, conseguir melhorar a posição de um site nos motores de busca, como o Google.

Contudo, para que isso aconteça, é preciso desenvolver conteúdo que seja bem rankeado, usando as técnicas corretas. O analista é o profissional que realiza esse trabalho, ou identifica o que precisa ser feito para melhorar o posicionamento.

Quem faz o SEO?

No marketing digital, o profissional indicado para fazer SEO é o analista, profissionais especializados na área ou agências voltadas para a criação de marketing de conteúdo. Contudo, outras pessoas que estejam por dentro de como funciona o algoritmo dos buscadores também pode realizar o trabalho.

Entretanto, vale ressaltar a importância do profissional qualificado para melhorar o posicionamento nos rankings de busca. Como atribuir os requisitos exige um grau de complexidade, é importante contratar algum que tenha especialização na área, para garantir os resultados desejados.

Além disso, os profissionais e agências que trabalham com marketing digital e SEO, estão sempre atualizados com as mudanças do algoritmo e tudo o que é lançado de novo.

O analista de SEO é responsável por planejar e elaborar estratégias para melhorar a busca orgânica da página ou site em que trabalha. Avalia a estrutura total do site. Usa técnicas de otimização para subir no ranking de buscas do Google e também monitora esse posicionamento para melhorar o desempenho do trabalho.

Esse profissional é responsável por ter uma visão mais ampla do trabalho, unindo vertentes do marketing digital e assim alavancando resultados. Todo o processo leva tempo, mas é possível ver melhora nos resultados, que são potencializados usando estratégias de SEO.

Qual a diferença entre CEO e SEO?

Embora essas duas palavras tenham o som bem semelhantes, possuem significados e conceitos bem diferentes. O SEO, é tudo aquilo que já foi dito até aqui, e está relacionado a otimização de sites, marketing digital e de conteúdo.

Enquanto isso, CEO diz respeito a sigla em inglês Chief Executive Officer, ou Diretor Executivo em português. Esse termo é bastante usado por empreendedores, analistas da área do marketing ou estudantes de tecnologia da informação. Sendo assim, as duas palavras não possuem relação direta.

Como usar SEO?

Existem muitas formas de usar SEO marketing para melhorar o tráfego das páginas de forma orgânica. Com isso, se torna fundamental criar conteúdo relevante para o público, usando técnicas e ferramentas que otimizem as páginas e também o próprio texto.

Dentro das estratégias de marketing usadas, tudo se inicia pelo planejamento. Portanto, é essencial saber quais são os resultados desejados, como chegar lá e quem quer alcançar. Para isso, usar as estratégias de SEO, é o que determina também o que será alcançado em médio e longo prazo.

Entender o que é SEO e para que serve, ajuda a determinar como proceder com as ações. Embora o marketing de conteúdo não dê retorno rápido, é uma das formas mais sustentáveis de obter sucesso com tráfego ao longo do tempo.

Entendendo os motores de busca

Para falar mais profundamente sobre SEO, é importante entender como funciona os motores de busca. Ao pensar no Google, como um dos principais e mais usados, se trata de um sistema que possui uma série de algoritmos.

Esses algoritmos são responsáveis por rastrear, indexar e também ranquear todos os conteúdos que existem online. Todo esse trabalho é feito de forma automatizada, para mostrar de forma ordenada as melhores respostas para o que foi pesquisado pelo usuário.

Lembrando que não existe apenas o Google como buscador, mas também o Bing, Baidu, Yahoo, entre vários outros. Até mesmo outros sites e aplicativos como Pinterest e Youtube, também são considerados buscadores. Inclusive o SEO Youtube e os demais, possuem algoritmos diferentes.

Todos eles são usados para buscar conteúdo. O Google ainda é o mais usado entre eles, mas cada um tem seus próprios critérios para encontrar as melhores respostas. Entretanto, a finalidade de todos eles são a mesma, oferecer sempre os melhores resultados.

Funcionamento de três etapas

Os motores de busca têm sua principal atividade funcionando em três etapas. Portanto, para mostrar a lista de todos os resultados que aparecem, o processo é longo, mas muito rápido. Para entender melhor, veja abaixo como o motor de busca funciona:

1.       Rastreamento

Assim que um usuário realiza uma busca usando o SEO Google, ou outro buscador, acontece o crawling. Com isso, os buscadores começam a rastrear os conteúdos que existem online e mostram conteúdos que são apontados por links ou páginas atualizadas.

Quem opera nessa parte são robôs, ou Googlebots no caso do Google. São eles que fazem essa coleta de informações e rastreiam as melhores opções de acordo com algoritmos pré definidos.

2.       Indexação

Durante a indexação, todas as páginas que foram rastreadas para aquela busca feita, vão para o índice do buscador. Nessa etapa os conteúdos começam a ser organizados de acordo com as informações que foram rastreadas na etapa anterior.

Dentre as informações do rastreamento, tempo de carregamento das páginas, palavras chaves, entre outros itens de SEO, são importantes para a indexação. Tudo isso é analisado pelos robôs.

3.       Rankeamento

Durante os processos anteriores de rastreamento e indexação, as análises acontecem a todo momento e os robôs ficam organizando os conteúdos. Contudo, somente na etapa de rankeamento é que a ordem das respostas é finalmente definida.

Depois de todo o processo, o buscador mostra uma lista com os principais e melhores resultados para a busca realizada.

Termos usados como palavras chaves são encontrados pelo buscador que faz uma enorme varredura em páginas que tenham termos que concordem com a busca realizada. Sejam os mesmos termos, ou termos que respondam a dúvida do usuário.

Toda a classificação é feita de uma forma que sempre vai mostrar os melhores resultados. Sendo assim, uma série de fatores vão fazer parte e compor o algoritmo para realizar esses processos.

Tudo isso, para entregar a melhor experiência possível ao usuário, e também melhorar o posicionamento das páginas nos buscadores.

Quais são os principais fatores de rankeamento?

Quando se está estudando SEO, provavelmente você vai encontrar mais de 200 fatores que auxiliam e ajudam no rankeamento. Contudo, o algoritmo do Google une posicionamento com qualidade de conteúdo e as ferramentas, para identificar a melhor posição das páginas e assim entregar ao usuário.

O próprio Google não revela quais são todos os fatores que ele usa para fazer a indexação, mas alguns segredos já foram mostrados ao longo dos anos. Com isso, os estudos e testes com marketing de conteúdo conseguiram revelar o impacto de algumas ações e assim, mostrar como funciona o posicionamento das páginas.

Fatores de rankeamento On page

De uma maneira geral, foi possível determinar que existem dois grandes grupos de fatores que são analisados para o rankeamento de SEO site. Os fatores On page estão relacionados com as informações que estão presentes nas páginas buscadas.

Geralmente envolve elementos como o próprio conteúdo, meta descrição da página e título, tags, imagens, URL, e tudo o mais que estiver presente como fator otimizador.

Sendo assim, os robôs do Google avaliam esses fatores para entender o que cada uma das páginas tem a contribuir com a busca e assim, faz a indexação corretamente. O buscador também consegue compreender, o que aquele conteúdo oferece em termos de experiência e informação ao usuário.

Fatores de rankeamento Off page

Além dos fatores On page de SEO, também existem os Off page. Esses fatores Off page são os elementos que estão fora da página, mas que ainda assim conseguem mostrar que ela é uma referência.

Normalmente esse tipo de mecanismo de otimização envolve autoridade do site. Quando outros sites ou blogs usam links diretos, os chamados backlinks, fazendo referência ao conteúdo.

Sendo assim, um ponto importante é conquistar esses backlinks, tanto em quantidade, diversidade, tendo um contexto de menções ao conteúdo e referências. Isso torna as buscas diretas e o Google entende que o se aquele conteúdo é relevante a ponto de se tornar uma referência, então ele é otimizado e sobe no ranking.

Esse tipo de otimização acaba elevando o nível de autoridade dos sites citados. Com isso, a página acaba gerando mais visitas e buscas e os backlinks aumentam devido as menções dos outros sites.

Meta description interfere no ranqueamento?

O principal objetivo da meta description é atrair o usuário que faz a busca no Google. Se trata daquele mini resumo que aparece sobre o título do artigo. Sendo assim, ele é responsável por atrair e gerar tráfego para a página.

Esse pequeno resumo, consegue aumentar as chances de o usuário clicar no site para consumir o conteúdo. E isso também favorece os mecanismos de busca e a posição do site nos buscadores.

Portanto, a meta description precisa estar dentro das estratégias de otimização de SEO. Inclusive, não usar essa ferramenta de forma eficaz, torna o ranqueamento prejudicado pelo site.

Para manter um bom desempenho e o plano de marketing dentro do esperado, usar essa ferramenta com planejamento e estratégia também vai ajudar a melhorar o ranqueamento do site. Isso acontece devido ao uso de palavra-chave, gatilho mental, call to action entre outras ferramentas que ajudam nesse processo.

Para elaborar essa estratégia, é fundamental criar uma meta description detalhada, explicando o que existe de conteúdo dentro do site, o que será encontrado ali. Isso ajuda a tornar o trabalho e a otimização de SEO mais eficiente.

Para conquistar um ranqueamento melhorado, o fundamental saber como construir a meta description e caprichar nessa descrição. Portanto, ser objetivo, claro e usar meios para despertar o interesse desperta a curiosidade do usuário.

Usar a palavra chave do texto, além de sintetizar o conteúdo, mostra ao Google que aquele site tem o material e o conteúdo que o usuário busca. Sendo assim, isso também deve ser levado em consideração.

Dicas de como criar um título otimizado para SEO e aparecer nos mecanismos de busca

O título é a primeira coisa que chama a atenção em um conteúdo criado. Sendo assim, o título SEO, vai ser ligo pelo Google, o tittle tag, e após ser avaliado, é indexado e vai para os resultados. Portanto, trabalhar a estratégia também no título ajuda a gerar e atrair mais tráfego orgânico.

Sendo assim, existem algumas dicas importantes para a criação de títulos que podem facilitar a otimização e melhorar o SEO dos conteúdos. Tornando-os mais atrativos a probabilidade de ser clicado é maior.

um dos primeiros pontos é usar a palavra chave no título. Precisa ser uma mistura da palavra chave com o que vai estar sendo dito no conteúdo propriamente do site. O tema principal do artigo.

Para criar um bom título, é preciso pensar como o usuário que vai fazer a busca, para encontrar aquele conteúdo. Além disso, também otimizar esse conteúdo, ligando o título ao nicho. Existem ferramentas que ajudam a planejar essas palavras, e assim fica mais fácil.

Os títulos precisam ser curtos e se a palavra chave estiver no começo, melhor ainda. Títulos muito longos são cortados no buscador e assim, o usuário não consegue ler tudo o que estará no conteúdo. O ideal é que ele apareça por completo.

Título atraente agradam tanto o público quanto os robôs do Google. Por isso, são alavancados durante o ranqueamento e com isso, são mais clicados. Sendo assim, inserir o máximo de informações dentro desse espaço, é uma boa opção para tornar o conteúdo mais atrativo e aumentar a taxa de cliques.

O que são palavras chave?

A palavra chave é o termo que o buscador utiliza para encontrar o que o usuário deseja saber através de sua dúvida em páginas online indexadas. De forma mais clara, são os termos usados em uma pesquisa que o usuário faz, e que também são usadas na criação e conteúdo.

Por exemplo, se um usuário faz uma pesquisa no Google sobre o termo “Copa do Mundo”. Nesse momento o Google vai buscar pelos melhores sites que façam o uso do mesmo termo. Com isso, vai mostrar em sua página de buscas, os melhores resultados que tenham essa palavra chave.

Entretanto, para entender a ordem de escolha dos resultados de acordo com a palavra chave, o que chamamos de rankeamento, os fatores são mais complexos. Portanto, pode-se concluir que a palavra chave é essencial para uma boa estratégia de SEO. Principalmente por definir o foco da página.

Contudo, o Google também leva outros fatores em consideração para indexar melhor ou não cada um dos resultados. Os buscadores atuais, possuem uma inteligência a ponto de entender qual a real intenção da busca.

Levando em consideração diversos fatores como a própria linguagem dos usuários, as variações dos termos usados, etc. Com isso, otimizar um conteúdo vai muito além de apenas usar palavras chaves corretas, é preciso usar outras técnicas além dessa, para tornar a leitura agradável e eficaz para o usuário.

Como pesquisar palavra chaves e quais usar?

Essa pesquisa pode ser feita de várias formas, principalmente para identificar quais termos podem ter maior potencial estratégico para os objetivos do site. Contudo, existem alguns fatores que precisam ser levados em consideração. Como é o caso da competitividade e da conversão.

Uma das principais ferramentas do marketing de conteúdo é o uso de palavras chaves. Mas para que isso tenha algum resultado na produção, é importante identificar os fatores que auxiliam na otimização do conteúdo.

Sendo assim, para realizar uma pesquisa de palavra chave comum, normalmente é feito uma listagem de termos. Essa lista deve conter várias palavras que estejam relacionadas com o nicho de atuação da marca.

Existem algumas ferramentas do próprio Google que auxiliam nessa pesquisa e podem ajudar a encontrar as palavras chaves mais adequadas. O Google Trends é um dos principais exemplos. Uma ferramenta simples e fácil de usar, que deve ser usada sempre que necessário.

Depois de elaborar uma lista com as melhores opções para usar no conteúdo, é preciso identificar quais delas são mais adequadas para cada etapa de funil. O funil de vendas ajuda a dar mais estrutura ao conteúdo, fazendo com que o público percorra um caminho.

Usar esse conjunto de estratégias, ajuda a potencializar a estratégia, já que ela vai ter um objetivo final. Para quem está iniciando um site e está em busca de mais tráfego, é fundamental otimizar os conteúdos de forma correta. Para isso, usar as palavras chaves que atraiam, é essencial.

Tipos de palavra chave

Para concluir sobre a importância de usar palavras chaves no conteúdo, é necessário entender que existem tipos diferentes. Sendo algumas delas mais usadas para as respostas do Google. Conhecidas também como head tail e long tail.

Os termos em inglês fazem referência ao tamanho da palavra chave. Que podem ser de cauda longa ou cauda curta. Cada uma delas tem correspondência com o momento em que se está na jornada de compra, ou no funil de vendas.

Quando maior for a cauda da palavra chave, mais específica é o conteúdo. Portanto, é provável que nesse momento o usuário deve estar próximo de tomar algum tipo de decisão. Ou pelo menos as estratégias devem ser criadas dessa forma.

Para estratégias em SEO, mesclar esses dois tipos de palavras chaves potencializa a jornada e faz com que o usuário realmente entenda todo o processo para tomar a melhor decisão. Para exemplificar melhor, acompanhe as características de cada um dos tipos de palavras chaves.

Head tail ou cauda curta (cabeça)

As palavras chaves de cauda curta têm características de serem mais genéricas, mais abrangentes. Por isso, são usadas no início da jornada de compra. Durante esse início, o consumidor ainda não sabe o que deseja, não sabe quais são suas necessidades.

Por isso, ao realizar uma busca genérica, ele encontra conteúdos que o levam a realizar mais a frente, pesquisas mais específicas. Normalmente esse tipo de palavra chave costuma ter um alto volume de buscas, o que também aumenta a concorrência.

Em contrapartida é possível notar elevação de tráfego ou utilizar esse tipo de head tail quando colocada em estratégia de SEO. Contudo, vale ressaltar que isso também atrai um público mais amplo, o que nem sempre leva a altas taxas de conversão.

É importante entender essas variáveis entre atrair tráfego, público e converter. Nem sempre o público atraído por essa etapa do funil, precisa do que se tem a oferecer. O que não quer dizer que a estratégia esteja errada.

O funil de vendas é exatamente o que o nome diz, um tipo de peneira que vai deixando apenas os interessados no produto ou serviço oferecido. Com relação usar palavras chaves de cauda curta, a alta concorrência está justamente no rankeamento ineficaz. Fica mais difícil ficar entre os primeiros.

Long tail ou cauda longa

Já as palavras chaves de cauda longa possuem termos mais específicos. Por isso, são usadas quando o conteúdo já está no fundo do funil de vendas. Até lá o consumidor já passou por vários outros conteúdos, se informou e sabe do que precisa para solucionar seu problema.

Com isso, por conhecer melhor as soluções, ele continua em busca de informações para tomar uma decisão. É onde as palavras chaves de cauda longa entram.

É importante ressaltar que essas palavras chaves não geram um alto volume de tráfego. Mas se estiverem sendo bem aplicadas na estratégia de SEO, vão gerar altas taxas de conversão. Além disso, fica mais fácil rankear páginas com palavras chaves de cauda longa, devido a concorrência ser baixa.

Depois de estar interessado em um assunto, o usuário pode começar a buscar termos mais específicos dentro desse mesmo assunto. Portanto, ele deve encontrar conteúdo relacionado e se isso atende suas necessidades, fica mais fácil a sua tomada de decisão.

O que é Snippet e dicas práticas para conseguir?

Snippets são também conhecidos como a posição zero do Google. São aquelas perguntas e respostas que aparecem nos resultados quando se faz uma busca. O que isso tem a ver com SEO? Na verdade, o principal objetivo é responder dúvidas rápidas do usuário, de forma objetiva e clara, sem necessariamente que se clique em uma página.

Portanto, saber como aparecer nesse local, pode despertar curiosidade e também fazer subir no ranking das buscas com o site, entre os resultados. Para montar o Snippet, o Google faz uma seleção dos conteúdos que estão disponíveis nas páginas, coletando informações e analisando o que é útil para o usuário.

Portanto, ao identificar o que é importante e que responde as perguntas mais buscadas, ele monta esse bloco de perguntas e respostas. Algo que é extremamente útil para os usuários por facilitar e tirar dúvidas.

Sendo assim, para criar estratégias e fazer com que a página esteja presente no Snippet, é importante fazer uma pesquisa para saber o que os usuários mais buscam dentro do nicho. Ao identificar as principais dúvidas, incluir isso dentro do conteúdo de forma estratégica e usando práticas de SEO, torna o conteúdo um destaque.

Existem técnicas para que um conteúdo vá parar no Snippet do Google, e o SEO está incluído. Como é o caso de criar parágrafos curtos. Com no máximo 60 palavras. Responder de forma direta uma pergunta dentro do conteúdo e assim por diante.

Quem já trabalha com marketing digital ou o marketing de conteúdo, tem mais habilidade em usar palavras chaves e saber como responder essas perguntas usando as práticas certas. Dessa forma fica fácil se tornar um destaque para o buscar, além de responder as dúvidas dos usuários.

Estrutura do artigo: O que é H1, H2, H3 e exemplos

Dentro da estrutura do artigo, existem as heading tags, são as marcações ou títulos e subtítulos que ficam distribuídos ao longo do texto. Sendo assim, se trata de uma parte importante para dar estrutura e organizar o conteúdo de forma prática e que fique de fácil leitura.

Esses pontos são cruciais para SEO, sendo que os robôs do Google os analisam como H1, H2, H3 e assim por diante. Todo conteúdo criado, precisar criado voltando-se para os usuários e também para os algoritmos. Quando esse equilíbrio é alcançado, os resultados aparecem mais facilmente.

Para entender como as heading tags funcionam, vamos explicar como cada um delas funciona. Por exemplo, H1 sempre será o título da página. É um elemento que deve ser único em cada página. Portanto, não deve haver outra H1 em nenhum momento na mesma URL.

Em seguida, as H2 aparecem, como subtítulos que são submetidos ao título principal, H1. Enquanto isso, a H3 é submetida ao H2 e assim por diante. Na escrita offline, os subtítulos são criados para virar tópicos dentro de um texto e o mesmo acontece online.

Essa divisão acaba gerando seções dentro do texto, o que torna a leitura do usuário mais agradável e facilitada. Além disso, ele consegue saber exatamente onde está o que deseja saber e assim, ir direto até o conteúdo.

Experiência de leitura e navegação

As heading tags além de melhorar a experiência do usuário, também é privilegiada pelo Google. Portanto, a navegação também fica facilitada, assim como otimização em SEO. Isso acontece porque se trata de elementos básicos de escrita.

Sem contar que dividir um conteúdo por tópicos e subtópicos também deixa o material organizado dentro de um site. Uma página bem organizada e bem dividida é mais acessada. Quantas vezes você fechou uma página de um site ou desistiu de ler o que estava escrito por que o conteúdo estava mal organizado?

Isso é mais comum do que se imagina. Portanto, investir em boas práticas escaneabilidade e de organização de conteúdo é fundamental tanto para a otimização quanto para garantir uma boa experiência para o usuário.

Portanto, incluir esses elementos durante as práticas de marketing de conteúdo é essencial para garantir não só que os usuários passem mais tempo online lendo, do que melhora o ranqueamento das páginas.

E quanto mais tempo o usuário passa online no seu site, uma série de benefícios se tem com os algoritmos do Google. Incluindo uma melhor indexação no posicionamento do ranking do buscador.

Vale a pena conhecer melhor como usar essa estrutura e torna-la cada vez mais atraente aos usuários para que queiram estar no site. Consumindo o conteúdo disponível e passar tempo online. Além disso, esse tipo de estrutura em textos que vendem, também consegue trazer mais resultados positivos, já que atrai mais atenção do potencial cliente.

Como usar as heading tags de forma eficiente?

 Não existe uma fórmula mágica para isso, mas uma estrutura pode ser levada em consideração na hora de elaborar os conteúdos. Como é o caso de seguir uma sequência de títulos de subtítulos para organizar o conteúdo.

A palavra chave principal deve estar presente no título, em H1. Ele deve contar qual será a ideia principal do texto de forma concisa, curta e clara. Enquanto isso, em H2, a palavra chave junto a outros elementos do nicho do artigo, também deve estar presente.

Para a divisão de H3, elementos que auxiliam e dividir elementos e a facilitar melhor o entendimento do público e também dos robôs, pode ser uma alternativa. Além disso, essa estrutura precisa conter informações que também sejam relevantes e coerentes com o restante do artigo.

Pode-se usar esse último tópico também, para incluir exemplos e estudos de caso por exemplo, que auxiliem no entendimento do usuário. Todas as partes e subpartes do texto precisa ser escrita com a mesma qualidade e a mesma relevância em todas elas.

Além disso, vale ressaltar que existe uma hierarquia dentro das heading tags. Sendo H1 a mais importante e a H”x” a menos importante. Os subtítulos podem continuar existindo enquanto houver uma subdivisão para ser feita.

É comum ver esse tipo de subdivisão também em trabalhos e artigos acadêmicos. A equivalência de importância deve ser a mesma. Assim como a organização dos assuntos e conteúdos que devem ter coerência.

Erros que não devem ser cometidos

Durante a separação do artigo em heading tags, alguns erros precisam ser evitados, como é o caso de misturar a ordem dos subtítulos. Os títulos e subtítulos devem sempre seguir a ordem numérica e nunca ser embaralhado.

Caso essa ordem seja misturada, a semântica pode sofrer alterações e assim, o código web da página também. Portanto, H1 deve sempre ser o título e ser usado somente uma vez, enquanto que a sequência deve seguir a ordem numérica para não gerar confusão.

H2 ou H3 podem ser fixados no conteúdo e assim ficar marcados dentro da página como se fossem um menu. Muitos blogs e sites que possuem conteúdos extensos fazem isso, para facilitar que o usuário vá até o tópico importante ou para tirar a sua dúvida diretamente.

Essa linkagem é ágil e favorece a experiência do usuário, mesmo que diminua o seu tempo de uso no site. Contudo, criar e conquistar uma boa organização para os leitores também é bem indexado pelos algoritmos.

Os robôs do Google conseguem interpretar essa divisão e assim, também encontram as informações com maior facilidade. Isso contribui diretamente para SEO e assim, a conquista dos primeiros lugares no buscador.

Muitas vezes as heading tags são menosprezadas e elas possuem uma extrema importância para a estrutura do texto. Além de organizar, também separam o conteúdo em material hierárquico, mostrando ao usuário o conteúdo em ordem de importância.

Os temas e assuntos discutidos em cada uma das partes, precisa ainda assim, envolver o tema principal, como é o caso de SEO, neste artigo. Contudo, mantendo e trazendo outras vias desse assunto. Novos desdobramentos.

Dicas de SEO do básico ao avançado

Na hora de montar uma estratégia eficiente para SEO, o processo requer uma avaliação completa. Tanto antes, com as métricas já existente, quanto durante o processo e depois. Dessa forma, toda estratégia fica montada de forma personalizada para cada tipo de negócio.

Para começar a dar andamento no planejamento de SEO, algumas etapas precisam ser seguidas antes. Acompanhe o processo abaixo:

1. Avalie o desempenho atual de SEO

Quando se dá início a um planejamento para alavancar resultados de um site, é preciso entender primeiro quais são os resultados atuais. Verificar as métricas e os resultados que o site apresenta antes de começar e elaborar novas estratégias, é fundamental para garantir um bom desempenho.

Fica impossível montar um plano para obter resultados orgânicos, sem antes saber quais são os resultados atuais do site. Portanto, o desenvolvimento começa, assim que o benchmarking é realizado do desempenho atual.

Sendo assim, é preciso avaliar os dados de visibilidade orgânica, quais são os números de tráfego de marca e também as posições das palavras chaves.

Existem várias ferramentas que podem ser usadas para verificar essas métricas, como o SEMrush, e assim, obter vários insights para elaborar as próximas estratégias. Através dessa ferramenta, é possível analisar tendências de tráfego estimado, é possível entender qual a visibilidade das páginas do site e muito mais.

Juntando várias dessas análises, fica mais fácil elaborar os próximos passos e assim, construir o planejamento estratégico mais eficaz para alcançar as metas do negócio. É importante lembrar da importância de usar várias ferramentas para essas análises, incluindo a própria pesquisa orgânica de conversão e dados de leads dentro da plataforma.

2. Avalie a estratégia da concorrência

Analisar o desempenho do próprio SEO é extremamente relevante para criar estratégias de marketing. Contudo, entender e avaliar as estratégias da concorrência uma técnica que muitos profissionais de marketing utilizam.

Essa avaliação serve para entender onde eles ganham mais e onde não ganham. É como se você usasse SEO exemplos para compreender de cara o que dá certo e o que não dá, antes mesmo de testar no seu negócio.

Entretanto, vale ressaltar que nem sempre essa estratégia é exata. Mas é uma forma de se basear em estratégias de marketing mais eficazes. Para isso, crie uma lista com todas as marcas concorrentes e elabore uma pesquisa ampla sobre as empresas.

É necessário saber quais as palavras chaves mais usadas, quais campanhas mais feitas, qual a linguagem usada com o público, etc. Essa análise facilita ter uma visão ampla de desempenho tanto do próprio site, quanto do conteúdo e estratégia dos concorrentes.

Além de fazer uma comparação de palavras chaves, essa análise determina e oferece uma orientação dos conteúdos a serem criados. Avaliando links, quais domínios a concorrência utiliza, se já possuem backlinks, etc. Todos os dados são válidos e cheios de informações para ajudar na construção da estratégia.

3. Definindo a persona

A definição de persona é um dos passos principais para o planejamento do marketing digital. Quando se quer falar ou vender algo, isso precisa ser direcionado para alguém. Quem é esse alguém?

Persona é a criação de um personagem fictício, que possui todas as características de um cliente ideal para o negócio. Para desenvolver esse personagem é preciso entender as dores reais e necessidades dele, como solucionar isso e também, como é o comportamento de compra.

Ao definir esse personagem, fica mais fácil saber como se comunicar e como atrair esse público, voltando-o para o seu negócio ou serviço.

Além disso, a construção dessa persona, precisa ter como base, dados de clientes reais. Realizando algumas pesquisas, fica mais fácil encontrar essas características e assim, desenvolver toda a construção desse personagem.

Outro ponto importante para lembrar, é sobre a etapa de funil pelo qual é necessário encaminhar o personagem. Cada pessoa possui um comportamento diferente.

Algumas evidências mostram que usar palavras chaves mais amplas no começo, no topo de funil, pode ser mais vantajoso durante a atração, e ir afunilando no final. Tudo isso faz parte do processo, mas o ponto de partida, será sempre a comunicação.

4. Tenha metas bem elaboradas

A definição de metas é o que dá um norte ao trabalho, as estratégias que serão feitas. Sendo assim, ela é parte fundamental da estratégia de SEO. Portanto, definir os objetivos que se quer alcançar é o primeiro passo, para depois elaborar o trajeto que se chegará até eles.

O plano de ação vai garantir o sucesso de realização das metas, mas ele precisa ser embasado. Sendo assim, para ir acompanhando o seu progresso, também é importante fazer uma avaliação contínua de métricas e resultados. Os planos podem mudar a qualquer momento, assim como as metas. Mas é importante ter um norte para onde seguir.

Contudo, vale ressaltar a diferença entre Meta e KPI. As metas são os resultados, o objetivo final que se deseja alcançar. Enquanto que os KPIs, são métricas que mostram o progresso alcançado na direção dessas metas.

Esse segundo termo é muito usado em estratégias de marketing digital e também quando se trata de SEO. Ambos precisam estar definidos e andar de mãos dadas para a conclusão das estratégias.

5. Encontre palavras chaves do nicho que sejam de cauda longa

Nas estratégias de marketing, definir palavras chaves principais para as páginas pilares, é o primeiro passo. Contudo, não se deve esquecer da estratégia para desenvolver o conteúdo de cluster.

Dentro desse subtópico, os conteúdos precisam aprofundar a palavra chave principal do nicho, e assim, aparecerem para apoiar as páginas pilares. Em um SEO exemplos, temos as palavras chaves de cauda longa, que conseguem afunilar o assunto.

É muito comum usar um topic cluster, com muitas palavras chaves, para determinar como será a criação de conteúdo. Isso tudo varia de acordo com a estratégia, de acordo com o nicho, os assuntos e também a frequência de publicações.

No caso das páginas pilares, normalmente o volume de pesquisa costuma ser maior. Portanto, é importante usar uma palavra chave de aspecto mais amplo. Enquanto isso, no conteúdo comum, ou cluster, usar palavras chaves de cauda longa, ajudam a aprofundar mais o conteúdo.

Por exemplo, se a palavra chave de página pilar em um site é “banheira de hidromassagem”, a palavra chave de cauda longa poderia ser, “banheira de hidromassagem para área externa”. Ou “banheira de hidromassagem para sacadas de prédios”, e por aí vai.

Os conteúdos devem ser específicos e garantir uma certa profundidade do assunto e do nicho principal. Para saber como identificar esse conteúdo, basta fazer uma pesquisa pela palavra chave, e identificar o quê mais as pessoas costumam buscar. Se isso está incluso no nicho e no que a empresa a empresa oferece, pode ser uma opção de assunto a se aprofundar.

6. Melhorar o SEO On page

Dentre as estratégias de marketing, é fundamental adequar o On page, de acordo com as técnicas de SEO. Contudo, existe uma linha tênua entre fazer criação de conteúdo e SEO On Page.

Para ter certeza de que está otimizando os conteúdos com os elementos corretamente, com a palavra chave adequada e tudo o mais, é preciso ter uma visão geral de várias outras coisas. Como por exemplo, títulos H1, H2, H3 ou mais, meta descrição de cada um dos conteúdos, tags, links internos, URLs, entre outros.

Os mecanismos On page fazem parte dos aspectos mais básicos de SEO. Portanto, melhorar esses elementos, traz resultados positivos e comprovados de uma visibilidade aumentada nas páginas, de forma completamente orgânica.

7. SEO Off page

Dentre todos os fatores que ajudam o ranqueamento do Google, os backlinks estão no top 3 de todos eles. É fato que pode ser um pouco complicado ranquear usando consultas de pesquisam que tenham alta competitividade, mas essa pode ser uma estratégia bastante sólida.

O sucesso de uma boa estratégia de marketing, está em obter backlinks. Saber como conquistar esse impulsionamento e com isso, fazer o site crescer cada vez mais.

Para isso, algumas táticas diferentes podem ser necessárias. Como por exemplo fazer parcerias, ter relações públicas online, usar a técnicas de Skyscraper, criar conteúdo que gerem essa interação e que seja atraente para outras páginas usar como referências.

8. Corrija os problemas

Quando o site apresenta problemas de otimização é necessário fazer a correção desses erros. Além disso atrapalhar o desempenho do ranqueamento, também faz com que muito conteúdo até bom, seja esquecido ou fique perdido.

Portanto, é importante passar um pente fino do que já se tem publicado, para identificar quais são os possíveis problemas que estão prejudicando os resultados. Fazer uma verdadeira auditoria, pode ser o que falta, para finalmente, fazer os resultados alavancarem.

Ao obter informações e avaliar métricas, é possível ter uma base do que pode ser feito para melhorar. Contudo, também existe a opção de contratar uma agência especializada para fazer essa análise. Profissionais capacitados sabem identificar problemas de SEO, e com isso, conseguem apontar com mais facilidade.

Ter conteúdo criado de forma errônea no site, não é o fim do mundo. Muitas vezes o que já existe precisa ser reformulado e atualizado usando técnicas corretas de SEO. Sendo assim, fazer uma atualização de conteúdo, seja o mais indicado, para ter respostas e resultados positivos.

Quais as principais técnicas de SEO on page e off page?

Regras de Search Engine Optimization surgiram exatamente para definir quais artigos estariam no topo das pesquisas. Tornou-se ainda mais importante com o crescimento da quantidade de sites presentes na internet. 

Para definir essa posição e fazer com que somente os melhores ficassem acima, criam-se mais de 300 atualizações anuais. Portanto, a primeira dica é manter-se constantemente atualizado. 

Existem algumas plataformas especializadas em informar todas as novidades sobre o assunto.  Mas, é importante conhecer quais as principais dicas SEO e o que fazer para otimizar textos na web.

1. Procurando as palavras chaves

Faz de tudo, mas mesmo assim seus artigos não ranquearam? Talvez as palavras chaves não estejam sendo utilizadas corretamente. Em suma, ela não deve ser analisada de acordo com a quantidade de buscas e sim, de acordo com os seus objetivos. 

Por exemplo, temos um artigo em nosso blog que aborda sobre emagrecimento. Já existem muitas postagens no Facebook, Instagram e blogs que falam sobre “Emagredux”. Entretanto, não desejamos apenas falar sobre ele, queremos dizer se funciona ou não. Portanto, a palavra chave mais adequada seria “Emagredux funciona”.

Procure por opções específicas e não tão abertas. Isso vale principalmente se você não encontrar sites relevantes que abordam sobre o assunto. Será ainda mais fácil alcançar o topo do Google. 

Observe o desempenho de um site otimizado pela Visão Confiável. De início, todas as publicações estavam com as palavras chaves incorretas. Decidimos reformular os textos e mudar títulos, metas. Os resultados depois disso foram satisfatórios. Atualmente, quase 100% de todos os resultados do cliente são orgânicos.

Muitas vezes, por mais que o artigo esteja “verde em SEO”, não trará resultados orgânicos se a palavra chave estiver sendo trabalhada de forma errônea.

21 dicas exclusivas de SEO para o seu site ranquear no Google

2. Crie conteúdos completos mas que sejam objetivos

Vamos supor que você tenha descoberto qual a palavra chave que deseja trabalhar. Entretanto, o que será necessário fazer agora? 

Supondo que o seu artigo irá ensinar sobre o mundo dos games e o lançamento de um console novo como Xbox Series X. Adiantaria você falar sobre os valores dos jogos, lançamentos, dados sobre a Microsoft se não abordar especificamente sobre o console Xbox?

Isso fará que o seu leitor se sinta enganado, não é sobre isso que o persona procura. Consequentemente, a taxa de rejeição do domínio irá aumentar e o Google entenderá que não é um conteúdo relevante. De nada irá servir um artigo enorme, cheio de links internos e com muitas imagens se o usuário não sentir que é importante. 

3. Tamanho do conteúdo

Quem atua na área do marketing de conteúdo sabe que o tamanho dos artigos conta para a sua classificação. Sendo assim, isso tem um impacto no rankeamento, mesmo que não seja diretamente.

O algoritmo entende que conteúdos mais longos são mais completos, mais profundos. Portanto, também entende que será melhor para sanar as dúvidas dos usuários. Embora isso seja uma verdade, não é regra.

Cada tema exige um tamanho ideal de texto, assim como cada persona, etc. Além disso, é possível criar conteúdo de assunto abrangente e de forma completa. Enquanto também é possível explicar algo mais específico de forma simples e direta.

Não existe um número para isso, mas é importante que o conteúdo seja relevante e tire a dúvida em questão. No marketing de conteúdo, não existe uma regra sobre o número de palavras. Desde que seja um conteúdo de qualidade, coeso e claro.

4. Analise mais sobre os seus concorrentes

Procura inspirações para seus artigos? Nada melhor que buscar quais são os resultados para a sua palavra chave. Descubra quantas palavras os seus concorrentes utilizaram e quais são os termos secundários. Tente escrever tudo isso e muito mais. Pergunte-se o que falta, o que eles não fizeram. 

É analisando estes aspectos que pode-se descobrir como criar conteúdos mais completos. Seja amigável e o mais completo possível. 

5. Cuidado para não perder o domínio de sua URL no SEO

A url no SEO é importante e marca toda a trajetória do domínio. Faça com que ela seja permanente, mesmo que o conteúdo seja atualizado. Para isso, evite fazer o uso de datas ou termos complexos. 

Por exemplo, vamos supor que escreve para um site de beleza. O título do seu artigo é: “10 melhores hidratantes corporais para comprar em 2020”. Entretanto, passaram-se dois anos depois de sua publicação e você precisa atualizar o texto. 

Dessa forma, seria melhor que a URL fosse seudomínio.com/melhores-hidratantes e não seudomínio.com/melhores-hidratantes-para-comprar-em-2020. Se você fizesse a atualização para 2022, teria que mudar o link. Contudo, seu site acabaria perdendo toda a autoridade que já conquistou e seria a mesma coisa que escrever um novo artigo. 

6. Atualizando os textos em SEO

O Google faz mais de 500 atualizações de SEO todos os anos. Sendo assim, será necessário permanecer antenado nas novidades para não perder seu ranqueamento. 

Quando o artigo já está na primeira página, não significa que não poderá ir para a última. Se o site for enorme, nem sempre é possível fazer o monitoramento de todos eles. Portanto, procure saber quais são os artigos mais lidos e invista nestas opções. Para isso, analise o número de cliques e impressões. 

Conteúdos entre as 6 primeiras colocações não precisam de mudanças drásticas. Será necessário apenas incluir elementos com certa frequência. Entre a colocação 7 e 20, ainda é possível mudar técnicas de SEO e fazer com que ocupem espaços maiores no ranqueamento. É muito comum que sites com textos entre as primeiras colocações não continuem com as atualizações e estes abaixo consigam ultrapassar. 

7. Acabe com conteúdos que deixam o seu desempenho de SEO abaixo do desejado

O ranqueamento no Google leva em consideração todos os outros artigos e reputação do domínio. Por isso que sempre dizemos que a primeira colocação não é uma pastelaria. Não basta apenas pedir um texto no topo e que chegue em questão de minutos. É necessário investigar e investir. 

E, vamos combinar que os posts antigos não são tão bons como aqueles que você criou ontem, certo? Com o passar dos anos ou meses, é comum que alguns textos sejam esquecidos, não tragam mais a visibilidade que traziam. Portanto, o melhor a se fazer é excluí-los. Não se esqueça que qualidade não é sinônimo de quantidade!

8. Crie títulos e descrições otimizados

O seu título deve ter a inserção da palavra chave para que fique otimizado. Além disso, é importante que seja interessante e que prometa resolver a dúvida do leitor. 

A CTR é altamente influenciada pela qualidade dos títulos. Portanto, procure opções mais fáceis de serem vistas juntamente com boas metas. Outra dica SEO relevante é buscar ser objetivo e claro. Utilize termos mais simples e de rápida compreensão do que deve ser passado. 

9. Encontre snippets e otimize o SEO

O Snippet é um fragmento utilizado pelo Google para que não seja necessário ler o artigo em si. É a própria posição zero onde trazem os resultados. Para isso, é importante criar uma intensa otimização.

Só pode ser criado quando se está entre os 10 melhores artigos. Sendo assim, corre o risco do seu blog acabar aparecendo duas vezes nas pesquisas.

Observe um exemplo dele:

SEO: quais as principais regras e dicas de otimização?

10. Cuidado com backlinks quebrados ou negativados

Um Backlink pode ser o sonho de qualquer especialista em SEO. Muitos deles podem ajudar para que o seu site seja considerado relevante. Entretanto, é muito importante que você não o utilize como forma de spam.

Muitos blogueiros que estão entrando na área do marketing digital, espalham o mesmo link em muitos blogs e fóruns de forma descontrolada. Mas, vale ressaltar que para o Google, as linguagens são contabilizadas através de domínios e não pela quantidade.

Dessa forma, você poderá citar a Visão Confiável inúmeras vezes em sua plataforma. Entretanto, o Google irá entender apenas como um Backlink.

Além disso, existem outros momentos que podem quebrar sua autoridade, como quando domínios ruins com plágio citam seus textos ou quando possuem conteúdo duplicado. Até mesmo a sua marca pode sair com danos graves nesse assunto quando permanece citando links quebrados ou que não possuem mais a autoridade de antes.

11. Use Long Tails

As Long Tails são boas opções para quem começou a descobrir o mundo do ranqueamento no Google. Não escreva, de início, usando palavras chaves com alta busca. Prefira opções que não têm muito conteúdo sobre.

Dependendo do nicho que for o seu blog, ficar atento aos lançamentos pode ser uma boa opção. Se escreve sobre livros, fique atento aos pequenos lançamentos e poste sobre eles antes de todos os outros redatores. O mesmo vale para outros assuntos.

Dessa forma, após criar pequenos ranqueamentos, pode-se investir em sonhos mais altos. Primeiro fortaleça sua marca e apenas depois tente avançar para opções mais concorridas.

12. Inserir um link externo de qualidade!

Começou com a redação e não quer passar sua autoridade para outra plataforma? Enfim, este é um erro cometido por muitos. Criar linkagens externas faz com que o Google compreenda a presença de outros pontos de vista e entenda como dar mais confiança ao leitor.

Além disso, ainda podem trazer benefícios. Ou seja, trocar links externos com sites parceiros ou vender um espaço publicitário em seu domínio para isso.

13. Cuidado com a localização dos links

O Google possui inúmeras métricas para julgar o ranqueamento. Uma delas é a taxa de rejeição. Portanto, se você colocar um link já no começo do artigo e os leitores clicarem nele, o Google entenderá que não gostaram do conteúdo e a taxa de rejeição aumenta.

Dessa forma, uma opção é inserir nas configurações para que a sua plataforma abra links em uma outra janela. Sendo assim, ao clicar em algo, seu conteúdo não terá a taxa de rejeição aumentada porque continuará “aberto”.

Além de ajudar a manter suas métricas boas, ainda contribui para que o usuário Mobile se sinta ainda mais confortável. Logo, não precisará ficar clicando para voltar ao artigo original. Caso você não saiba como fazer isso, poderá ir em busca de profissionais que façam este tipo de configuração.

14. Encontre oportunidades de links

Não estamos te dizendo que deve sair pedindo links para todos ao seu redor. Mas, existem algumas táticas para conseguir Backlinks relevantes.

  • Por exemplo, quando ver algum material de seu site sem os devidos créditos, entre em contato com quem o postou e peça para que citem sua marca.
  • Supondo que você possui uma empresa de marketing e viu um artigo que cita as melhores delas e a sua não está lá. Pode entrar em contato com os produtos para saber mais como está incluso nas recomendações. Mostre quais são os prós e contras da sua marca.
  • Se descobrir algum site que está com o link quebrado, poderá oferecer o seu para colocar no lugar. Isso desde que, claro, seja sobre o mesmo conteúdo.

15. Cuidado com os excessos

Você não quer se tornar a própria Wikipédia com um link a cada 3 palavras, não é mesmo? Fazer isso deixará o seu usuário insatisfeito, aumentando a taxa de rejeição.

Portanto, separe opções estratégicas e que estão relacionadas com o assunto abordado. Pense somente na experiência do leitor. Esse link irá realmente acrescentar ou será mais aleatório e desnecessário? Se for irrelevante e você colocar apenas para “seguir regras básicas de SEO”, é melhor deixar sem nada!

O mesmo funciona para imagens ou palavras repetidas. Tente diversificar o seu vocabulário utilizando palavras de transição.

16. Plágio? Acho que não!

Esse é um dos mais variados motivos pelo qual você deve contratar um redator ou se especializar. Ninguém poderá ganhar dinheiro com Blog usando conteúdo plagiado. Mesmo que o plágio seja realizado dentro do seu próprio site, o Google identifica e irá penalizar.

Não estamos falando de mudar algumas palavras e colocar sinônimos a mais ou a menos. Queremos falar sobre realmente escrever algo do zero, totalmente original. Portanto, se está começando agora e não faz a mínima ideia de como escrever conteúdos otimizados com copy, nós podemos te ajudar!

17. LSI: seja significativo para o SEO

Por muito tempo, acreditou-se que o SEO ranqueava através de inúmeras repetições da palavra chave. Entretanto, isso não passa de um grande mito e que deve acabar logo! A plataforma Google consegue calcular a relevância semântica de sua citação, seja de palavras chave primária ou secundária.

Por exemplo, sua palavra chave é CAPITAL. Mas que capital? Estamos falando da cidade ou de uma quantia em dinheiro? Ao usar palavras variantes, faz com que seu texto seja melhor interpretado. Logo, não correrá o risco dos usuários pesquisarem por capital de dinheiro e aparecer outra opção.

Por exemplo, quando você quer repetir a opção de município, usa-se termos como cidade, metrópole. Quando for à outra opção, utiliza-se dinheiro, montante. Logo, não correrá o risco de pesquisar algo e encontrar opções opostas.

Neste artigo, nossa palavra chave é SEO. Entretanto, também usamos termos variantes como “dicas, Ranqueamento, Google, domínio, site”.

18. Criando uma frequência de publicações

Não será necessário postar todos os dias. Entretanto, é muito importante criar uma frequência de publicações e postagens. A questão é se comprometer, mesmo que faça somente uma vez por semana.

Crie um calendários editorial. Alguns imprevistos podem ocorrer, contudo, é sempre bom criar um cronograma e deixar os posts agendados com antecedência. Por exemplo, se o dia de ser publicado é sábado, crie o artigo quarta e o agende.

Parar de postar em seu site pode causar diminuição de SERP e autoridade de domínio.

Um de nossos clientes postava diariamente novos textos. Contudo, acabou parando por estar ocupado com outros projetos. Mesmo que antes já estivesse bem colocado no ranqueamento devido à Visão Confiável e nossas análises, sua autonomia foi decrescendo lentamente. Observe a imagem que ele nos mandou, alguns meses depois, de suas métricas:

21 dicas de SEO para otimizar e ranquear artigos no Google.

19. Conseguindo tráfego usando o Google Imagens

Sabe a Tag que é necessário colocar na imagem dentro do seu blog? Ela é muito importante e não deve ser ignorada, por mais que tenha um peso menor. Podem ter muita capacidade de trazer usuários orgânicos, ainda mais quando sua marca for visual, como uma empresa de arquitetura.

Para isso, basta nomear todos os arquivos com a palavra chave. Dessa forma, será possível identificar o conteúdo.

20. Use a palavra chave somente uma vez no SEO

Você pode fazer tantos artigos, existem tantos temas! Então, por que iria usar a mesma palavra chave mais de uma vez? O SEO não aprova essa metodologia.

É muito mais simples investir todos os seus esforços em um único artigo do que em vários. Usar a mesma palavra chave de forma repetitiva, fará com que os conteúdos compitam entre si. Criar um post super otimizado é melhor que criar vários deles que não são tão bons assim.

21. Cuidado com as quedas bruscas!

Que o monitoramento é essencial nós já sabemos. Sua importância está até mesmo para analisar a concorrência. Se o seu artigo que antes tinha mais de 1000 cliques semanais agora tem apenas 200, é um fator preocupante.

Pesquise no Google pela sua palavra chave e veja quais são os concorrentes que estão no topo. Às vezes o problema pode estar visível no artigo. No entanto, pode acontecer de o motivo não estar aparente.

Para isso, deve-se ir ainda mais à fundo. Talvez seu domínio tenha sido penalizado pelo Google de alguma forma. Dependendo da situação, o problema pode estar em outro artigo que não tem relação direta com este que perdeu cliques.

Portanto, analisar todos os fatores relacionados a Backlink, spam, Erros, cópias e muitos outros, é essencial.

22. Prendendo o leitor com a introdução do SEO

Como prender o leitor de forma com que ele não saia do seu conteúdo? Como já citamos, quanto menos tempo o usuário permanece em seu site, mais o domínio é penalizado.

Portanto, é necessário fazer uma introdução que o prenda para que continue a leitura. Invista na elegibilidade dos artigos, use palavras de transição e frases curtas.

Aprender técnicas de Copywriting ou Storytelling é essencial. Os famosos textos que vendem. Use termos de necessidade e evite erros de português ou palavras difíceis. Dependendo do assunto, o leitor pode não ter interesse em um texto robusto com várias palavras complexas.

O que é blackhat SEO? Veja o que não fazer!

Desde a criação do Google, lá na década de 90, os principais sites que ficaram nas primeiras posições no buscador, ficavam devido a suas palavras chaves e links. Contudo, com o passar do tempo, os desenvolvedores da plataforma começaram a identificar um “jeitinho” que estava sendo usado, para enganar a plataforma de SEO.

Sendo assim, essas técnicas enganosas passaram a ser conhecidas como Blackhat SEO. Essas técnicas que enganavam o Google para ganhar bom posicionamento, usavam palavras chaves em excesso e links de sites melhores para posicionamento no buscador.

Contudo, toda essa atenção acabou ficando muito visível para o Google conforme seus mecanismos foram evoluindo. Nos anos 2000, o algoritmo foi se aprimorando e aprendeu a identificar essas técnicas que manipulavam os resultados.

A partir daí, o buscador decidiu começar a punir os sites que usassem técnicas fraudulentas, e assim, priorizar os que tivessem conteúdo de maior qualidade. Foi então que a busca pelos primeiros lugares no ranking começou, mas passou a ser mais justa.

Como o Google passou considerar conteúdos relevantes e de qualidade, que tenham como foco os usuários, o blackhat SEO tem como definição, as técnicas agressivas. Normalmente se trata do uso de SEO, mas sem seguir as diretrizes dos buscadores, e assim, fazer com que algoritmos sejam manipulados.

O objetivo principal é obter grandes resultados em menos tempo. Entretanto, esse tipo de estratégia está passível de punições por parte do buscador. O que pode trazer o efeito totalmente oposto ao que se deseja. Veja abaixo algumas das técnicas proibidas e que não se deve fazer para manipular os fatores de rankeamento.

Excesso de palavras chave

Considerada uma das principais técnicas de blackhat SEO. Usar de forma excessiva a palavra chave em um texto, acreditando que isso irá manipular o Google é um erro. Aumentar a densidade das palavras não mostra aos buscadores que o site tem mais relevância.

Inclusive, o conteúdo deve ser contabilizado, usando as tags e a meta description, textos nas imagens e tudo o mais. Sendo assim, é importante levar a quantidade de palavras chaves em consideração na hora de produzir o texto.

Normalmente é feito um cálculo para avaliar a densidade da palavra chave no conteúdo, e para ter uma boa quantidade, não é necessário exceder essa quantidade. Além disso, o aumento do uso da palavra chave não indica relevância de conteúdo.

Por isso, nos anos 2000, quando o Google decidiu levar em consideração a relevância do conteúdo, ao invés da quantidade de palavras chaves, passou a penalizar páginas que tivessem esse excesso.

Muitos sites perderam seu lugar no ranking e com isso, tráfego. Com o tempo, tiveram que se adaptar e usar técnicas permitidas para evitar qualquer tipo de penalização. Escrevendo com mais naturalidade, usando sinônimos para manter uma densidade abaixo de 2%.

Conteúdo escondido

Outra técnica proibida é o uso de conteúdo oculto, ou escondido do usuário. Quem fazia esse tipo de prática, costumava colocar várias palavras chaves e outros termos relevantes para o site, escondidos na página.

Tudo era feito apenas pensando na revisão do buscador, sem pensar em nenhum momento, no usuário. Normalmente essa técnica era feita colocando texto no fundo do site com a mesma cor da página. Sendo assim, só era possível ver se selecionasse o texto.

Muitos sites também diminuíam o tamanho da fonte para 0, ou reposicionavam o texto fora da página. O Google passou a perceber esse tipo de tática e decidiu penalizar. Portanto, conteúdos escondidos não devem estar presentes em nenhum tipo de estratégia SEO.

Camuflagem

Também conhecido como cloaking, é uma técnica que foi criada por desenvolvedores que aprenderam a configurar uma página para que ela fosse mostrada aos robôs de uma forma diferente do que realmente está.

Os robôs do Google, ou Googlebots, são responsáveis por fazer as leituras das páginas dos sites, para indexá-los no ranking de busca. Sendo assim, ao usar essa técnica de camuflagem, os robôs vêm uma coisa, sendo algo bom para o ranqueamento, enquanto que os usuários vêm outro.

Isso acontece através de uma tag user-agent. Sendo assim, essa página criada fica servindo apenas para o objetivo de ganhar boas posições no buscador. O desenvolvedor não se preocupa com o usuário e nem com a usabilidade do mesmo.

De uma forma geral são páginas de má qualidade, sem relevância, mas que possuem técnicas camufladas de otimização. Contudo, essa é uma técnica que também é penalizada pelo Google.

Conteúdo em duplicidade

No universo da internet é muito comum ver conteúdos parecidos. Até porque muitos sites e blogs se baseiam nos assuntos em alta para criar seus posts. Entretanto, existe uma diferença entre algo de mesmo assunto e os conteúdos duplicados.

Isso é ainda pior quando acontece dentro do mesmo site. O Google dá prioridade para conteúdos que sejam originais. Quando encontra uma página com conteúdo igual a outro que já foi publicado antes, ele considera o conteúdo em duplicidade.

Nesse caso, existe uma penalização também, mas se o conteúdo for levemente diferente, o Google vai priorizar apenas um deles. Normalmente o que fica ranqueado é o que foi publicado primeiro. As demais cópias são ocultadas nas buscas.

Contudo, se os conteúdos estiverem copiados em excesso, ou o desenvolvedor usar qualquer tipo de automação para criá-los em um site, o Google considera SPAM. Nesse caso o site é penalizado por isso também.

Portanto, é fundamental evitar copiar conteúdos de outros sites, tanto pelo plágio, quanto por fazer com que o site em questão suba no ranking. O Google sempre vai dar prioridade ao site que fez a publicação primeiro. Considerando-o original.

O ideal ao implementar estratégias de SEO no site, é criar conteúdos que sejam relevantes e tenham a ver com o nicho. Quanto mais completo for, melhor será para o usuário. E usando as técnicas certas, seu lugar nas páginas de busca ficam ainda maior.

Contudo, além de não copiar textos de outros sites, é fundamental corrigir configurações do site para evitar esses problemas. Fazer uma revisão para eliminar os conteúdos duplicados também.

Fazenda de links

O termo em inglês é chamado de Linkfarm, onde sites entre si, geram links de um site para outro, com intuito de aumentar os backlinks e o pagerank do conjunto. Essa prática também é considerada blackhat SEO e sofre penalização pelo Google.

É muito comum encontrar sites que façam esse tipo de coisa como um combinado. Contudo, geralmente são sites que não possuem muita relevância e fazem isso apenas para “ajudar” uns aos outros. Entretanto, isso acaba não ajudando.

Essa prática que foi criada para melhorar o pagerank dos sites, e acabava colocando nas primeiras posições do Google, sites de baixa qualidade e pouco relevantes. Por isso, o buscador deu um jeito de penalizar essa prática.

Links pagos

O principal objetivo de gerar links pagos é para aplicação de um desconto em uma compra de produto, além de oferecer algum tipo de vantagem na empresa. Contudo, não serve qualquer tipo de link apenas para gerar uma recompensa. Isso é considerado link pago.

Essa ainda é uma das técnicas mais difíceis de ser identificada pelo algoritmo, mas é considerada Blackhat SEO. Isso acontece porque o buscador não tem como descobrir se isso é algo combinado para incluir um link de outro site.

Portanto, para evitar que esse tipo de prática aconteça, o Google acaba fazendo uma análise de relevância, para identificar se os sites são equivalentes. Por exemplo, se uma loja de e-commerce que vende roupas, usa um link para um site que fala de flores, não haverá relação, certo?

Nesse caso, o algoritmo do Google entende que isso é uma estratégia de links pago. E quando isso começa a acontecer de uma hora para outra, as linkagens caem em blackhat SEO. Com isso, os algoritmos começam a observar os conteúdos mais de perto.

Para quem quer trabalhar com SEO, uma das recomendações é de não usar esse tipo de estratégia. Ou qualquer tipo que tente driblar os algoritmos do Google. Qualquer prática duvidosa pode gerar punições, e esse tipo de atitude pode afetar e muito o tráfego orgânico do site.

Contudo, vale ressaltar a diferença entre o publieditorial que também é considerado um link pago. Nesse caso, é necessário adicionar a marcação nofollow¸nos links para que os robôs entendam que não se deve passar autoridade para o site em questão.

Doorway Page

Esse tipo de estratégia que também se enquadra em Blackhat SEO, é bem semelhante a camuflagem. É como se as páginas dos sites fossem construídas, com conteúdos que usam palavras chaves específicas em casa uma delas. Mas os usuários vão encontrar respostas genéricas ou até mesmo algo que não tenha conexão com o que foi buscado.

No ano de 2015, o Google percebeu esse tipo de estratégia, e acabou atualizando seu algoritmo para impedir que essa prática continuasse. Sendo assim, páginas que tenham o Doorway Page também são penalizadas.

Blog SPAM

Antigamente era muito comum ver comentários em blogs, fazendo algum chamado ou deixando um link para outra página. Esses comentários são considerados totalmente irrelevantes tanto para blogs ou fóruns.

Normalmente, possuem o único objetivo de fazer uma linkagem para o próprio site. Tentando gerar algum tipo de autoridade para o seu tráfego, de forma fácil. Contudo, esse tipo de distribuição de links é considerado SPAM.

Esse tipo de estratégia também foi desenvolvido para melhorar o pagerank dos sites, mas caiu em desuso devido a aplicação do dispositivo de nofollow. Sendo assim, os próprios robôs não oferecem autoridade a esses links para melhorar as buscas.

Atualmente não é nenhuma vantagem oferecer um link de um blog em comentários de outros blogs ou sites. Entretanto, existe a vantagem de geração de Leads com isso, que gera mais tráfego e assim, visibilidade.  

PBN (Private Blog Network)

As redes dos blogs, são criadas para que os sites consigam gerar links entre eles. Com intuito de melhorar o posicionamento do Google. Entretanto, é preciso que esses sites tenham uma boa autoridade já que se tratam de domínios já expirados.

É assim que funciona o PBN, domínios antigos que voltam para o mercado, para conseguir influenciar o ranqueamento dos buscadores, fazendo citações de sites novos. Existem até empresas que se especializaram em criar essas redes para fazer isso.

Portanto, o algoritmo do Google é rápido e inteligente. Sendo assim, os proprietários dos sites, também vão melhorando a técnica para evitar que a rede seja penalizada. Com isso, usam diferentes tipos de CMSs, domínios e registros com empresas e pessoas diferentes e assim por diante.

Em 2017, quando o Google Penguin se atualizou, a detecção de PBNs ficou mais fácil de detectar. Com isso, sites que estavam na rede, tiveram quedas bruscas de tráfego e isso ficou claro, devido a estratégia de blackhat SEO.

SEO negativo

Mesmo quem não usa nenhuma das técnicas acima citadas que são blackhats, alguns desenvolvedores optam por não usar técnica nenhuma delas em seu próprio site. Mas usam em sites concorrentes, para prejudicar o SEO. Isso é chamado de SEO negativo.

Esse tipo de estratégia envolve colocar comentários e fazer avaliações negativas no Google Meu Negócio, falando mal de sites escolhidos. Isso prejudica o ranqueamento desses sites, assim como até gera links de baixa qualidade para eles.

Contudo, mesmo que isso gere punições nos buscadores, existem maneiras de reverter esse tipo de atitude. Sendo assim, o Google Meu Negócio avalia todas as avaliações irregulares que são feitas dentro da plataforma. Se algo estiver errado, há grandes chances delas serem eliminadsa.

Através do Google Search Console, é possível usar uma ferramenta que inclui uma lista de links tóxicos no site. Isso ajuda a selecionar o tipo de link que o site deseja receber e também remove o vínculo com os que são problemáticos. Nesse caso o link continua lá, mas não vai sofrer qualquer tipo de prejuízo.

Que tipo de punição o Google aplica para Blackhat SEO?

Caso alguma dessas técnicas acima tenha sido usada no site para melhorar o ranqueamento, o Google percebeu, haverá uma punição. Essas punições variam de acordo com o tipo e a gravidade da infração.

Portanto, o buscador possui um nível de irregularidade e a influência desse tipo de desempenho e o que acontece no site. Por exemplo, algumas punições descem a posição do site em 30, 50 ou quase 1000 posições para baixo.

Contudo, também existe a possibilidade de a punição banir por completo o site do Google. O desenvolvedor do site vai perceber uma queda brusca no tráfego. Quando isso acontece, pode ser que algum tipo de punição tenha acontecido.

Ferramentas para iniciar em SEO

Para começar a planejar as estratégias de SEO, é importante conhecer algumas ferramentas disponíveis. Existem duas principais que são básicas, mas que funcionam muito bem para começar a elaborar diagnósticos e assim, montar as estratégias.

Para dar início as otimizações, o ideal a se fazer é acompanhar os impactos de tudo o que já foi feito até o momento. Para quem ainda está no início, se antenar desde já a essas ferramentas disponíveis, fará uma grande diferença na otimização e ranqueamento do site.

Google Analytics

Uma ferramenta gratuita e disponibilizada pelo próprio Google, é o Google Analytics. Possui uma infinidade de recursos e maneiras de avaliar estratégias e desempenho de páginas online. Para SEO, serve como um grande aliado em vários aspectos.

É possível usar as métricas disponíveis na ferramenta até mesmo para construir a persona e fazer o acompanhamento do tráfego. Encontrar os locais do seu conteúdo que gera mais tráfego e observar quais páginas possuem maior desempenho.

Além disso, com os gráficos disponibilizados, também fica mais fácil entender qual o tipo de conteúdo que gera maior engajamento. Monitorando inclusive, conversões geradas dentro da estratégia criada.

Portanto, essa é uma ferramenta fundamental de auxilio para facilitar o planejamento e o monitoramento de SEO.

Google Search Console

Outra ferramenta que facilita a troca de informações entre o Google e o site, é o Google Search Console. Através dele é possível obter diversos relatórios muito importantes para monitoramento de SEO, e usar vários recursos disponíveis.

Ao avaliar os dados disponíveis na ferramenta, é possível entender se o site está com algum problema de indexação ou se sofreu algum tipo de penalização. Caso o site tenha sido hackeado, também fica fácil identificar através dos dados.

É possível encontrar quais palavras chaves foram essenciais para ativar o site na SERP. Além disso, também mostra os cliques nessas páginas, como o CTR orgânico. Mostra quais são os sites que estão gerando backlinks e também permite solicitar rejeitar esses links de sites duvidosos.

Contudo, vale ressaltar que essa é uma ferramenta mais técnica e muito mais usada por profissionais da área e agências próprias de marketing digital. Entretanto, a interface é amigável e pode ser usado para obter dados mais simples, fazer diagnósticos desde os básicos até os mais complexos.

Ao usar a ferramenta, é bem provável que vários insights sejam criados para melhorar a otimização. Inclusive, essa acaba sendo uma forma de elaborar novas estratégias que ajudem a elevar o tráfego orgânico nas páginas, usado várias técnicas de SEO para isso.

SEM Rush

Quem está iniciando na área de produzir conteúdo, e está aprendendo a como conseguir bom resultados, em algum momento terá que analisar esses dados. Com isso, a ferramenta SEMRush é a principal que mostra o material que está ranqueado e os que ainda estão na fila.

Além disso, também faz todo o acompanhamento do site, disponibilizando as análises mais importantes e essenciais, frente aos concorrentes. É considerada uma ótima ferramenta para facilitar a criação de palavras chaves.

Outra função que chama bastante atenção dessa ferramenta para SEO, é a sua capacidade de comparar as ações entre os concorrentes. Através dela é possível montar gráficos que comparem sites selecionados e assim, descobrir quais as melhores estratégias e quais os caminhos percorridos por cada um.

A ferramenta tem uma versão gratuita, mas para ter acesso a tudo que a ferramenta pode oferecer, é preciso pagar a mensalidade. Contudo, na própria versão gratuita é possível usar diversas funcionalidades que são de grande ajuda. Para quem ainda está iniciando no marketing de conteúdo e otimização em SEO, vale a pena experimentar.

Google Trends

Uma ferramenta disponibilizada pelo próprio Google, o Google Trends é bem fácil de usar e versátil de se trabalhar. Através dele é possível identificar as palavras chaves que estão sendo os assuntos mais comentados. Ou seja, que estão em alta.

Além disso, é uma ferramenta bastante conhecida por fazer comparações importantes entre termos relacionados. Mostra o volume de busca, faz comparativos entre palavras semelhantes e por período, e tem diversos filtros.

Os filtros podem mostrar as regiões do país ou estado em que as palavras estão sendo usadas, sendo uma ótima opção para criar artigos otimizados voltados para um público específico. As funcionalidades da ferramenta são bastante atrativas, e favorecem a etapa de criação de pautas.

Ahrefs

Está entre as ferramentas mais populares de SEO na internet, possui diversos recursos assim como o Google. Um dos principais pontos positivos da ferramenta Ahrefs é a sua capacidade de fazer buscas por palavras chaves.

Além disso, ela também realiza análises e mostra o que precisa ser melhorado em determinadas páginas selecionadas. Assim fica mais fácil saber o que precisa ser otimizado em SEO. Dessa forma, o site passa a ter um melhor desempenho nos buscadores, subindo no ranking.

Outra função importante dessa ferramenta, é a possibilidade de escolher os backlinks que são mais usados nos concorrentes. Isso serve para dar início a construção de conteúdos do próprio site.

A Ahrefs possui um imenso banco de dados que permite realizar diversas análises de diversas maneiras. Tudo dependendo da estratégia usada e dos objetivos que se tem em mente. Mas é possível ter muita informação de concorrentes e também do próprio site avaliado.

Yoast SEO

Essa é uma ferramenta usada dentro do site, ideal para quem tem blog. O Yoast SEO é um plugin que serve para auxiliar no processo de otimização do conteúdo. O plugin funciona dentro da plataforma do WordPress, sendo assim, se torna uma das mais valiosas durante o processo de criação de conteúdo.

Independente de qual seja o objetivo do conteúdo criado, a otimização das páginas é fundamental para que o site fique bem posicionado nos buscadores. Além disso, aumentam a visibilidade e os resultados.

Portanto, para tornar um blog ou site bem posicionado e bem otimizado em SEO, é fundamental o uso do plugin Yoast SEO. Suas funcionalidades auxiliam no processo de otimização.

Para isso, basta instalar dentro da plataforma e começar a usar. O processo é bem simples, assim como as configurações. Mas é necessário um pouco de precaução durante essa parte, para incluir as opções que realmente desejar de acordo com a estratégia.

O que melhora a autoridade de um domínio?

A autoridade de um site ou de um domínio, é uma das principais métricas em SEO. Portanto, saber como melhorar e aumentar essa autoridade, funciona muito bem para alavancar o ranqueamento do site.

Muitos profissionais e empresas de marketing fazem buscas para aumentar o tráfego de seus sites e também o desempenho dos mesmos. Sendo assim, para garantir que haja eficiência nessa tarefa, o desenvolvedor e proprietário do site precisa acompanhar constantemente essa métrica.

A métrica em questão se chama autoridade de domínio. Ela é responsável por mostrar a força que um site ou uma página em questão possui na internet. Isso favorece de forma direta o ranqueamento dos mecanismos de busca.

Portanto, ter um bom posicionamento, influencia diretamente na visibilidade, no tráfego orgânico. Oferecendo mais confiança ao público com relação aos conteúdos criados. Daí a importância de elevar essa autoridade.

Sendo assim, veja abaixo o que fazer para melhorar a autoridade de domínio de um site, usando estratégias de SEO e fazendo um bom trabalho com o marketing de conteúdo. É importante conhecer essas técnicas para melhorar o posicionamento do site e assim, melhorar o tráfego e a visibilidade do mesmo.

1.      Link Building oferece credibilidade pela indicação

O Link building faz parte das estratégias de SEO, ele é uma espécie de indicação. É muito comum isso acontecer no offline, quando alguém indica algum produto ou um serviço que confia para outra pessoa. No universo online isso também acontece, porém, através de estratégias de link building. Quando uma linkagem dentro de um conteúdo é feita, indicando para um outro site ou outra página.

Sendo assim, isso pode acontecer tanto entre sites quanto entre páginas de um mesmo domínio. Internamente ou externamente, isso também é chamado de backlinks. Contudo, quando a linkagem é feita em um site com autoridade, o link building ganha ainda mais credibilidade.

Sendo assim, os robôs do Google passam a reconhecer o site como autoridade também. Principalmente quanto existe conexão interna entre links que falam do mesmo assunto ou que tenham relação.

Ter uma boa estratégia para gerar link building, auxilia no processo de melhorar a autoridade do domínio. Além disso, passa para o Google, que o conteúdo possui relação com sites que possuem relevância, além de abordar os mesmos assuntos.

2.      Analisar os backlinks internos e externos

Como mencionado acima, os backlinks internos também são importantes, pois fazem ligação dentro do site, de um post para o outro. Esse tipo de estratégia, faz com que o Google entenda que o site possui autoridade de domínio e consegue fazer a ligação entre os conteúdos.

Contudo, o uso de backlinks externos de outros sites que não tenham nenhum tipo de relevância, pode atrapalhar a autoridade do site. E isso prejudica diretamente o posicionamento dele no ranking.

Sendo assim, é fundamental fazer uma avaliação desses links, para saber se eles podem oferecer uma vantagem ou não para o domínio. Ao fazer essa análise, verifique quais podem ser mais adequados para a estratégia do site e também da produção do conteúdo.

3.      Exclua os backlinks de má qualidade

Depois de avaliar os backlinks, para melhorar a autoridade de domínio o melhor a se fazer, é eliminar todos os que forem de baixa qualidade. Priorize apenas sites parceiros ou que sites melhores e que tenham maior relevância nos buscadores.

Ao fazer isso, é preciso não indicar sites de baixa relevância, assim como ter certeza de que esses mesmos sites também não vão indicar o seu site dentro do conteúdo deles. É necessário fazer um mapeamento dos backlinks.

Para fazer isso, o Google Search Console pode ajudar. Se trata da ferramenta que faz uma verificação de links para o seu site, fazendo uma leitura do tráfego nas pesquisas. Dessa forma, os hiperlinks que estiverem usando o seu domínio, vão ser apontados.

Contudo, para eliminar esses links suspeitos e evitar que sites de baixa relevância indiquem ou direcionem para o seu site, a ferramenta também ajuda nesse processo. Portanto, saber como avaliar e fazer essa análise é fundamental para manter as práticas de SEO longe de SPAM.

4.      Identifique e acompanhe os concorrentes

A autoridade de domínio, acaba sendo uma métrica para avaliar e comparar sites entre si. Portanto, é normal fazer essa analise entre sites diferentes e também concorrentes. Quando um site possui nota alta, é preciso que as metas estejam aderentes a isso.

Além disso, ao fazer uma visualização desses dados, também fica mais fácil entender qual a visão da marca ou da empresa que existe na internet. Com relação aos concorrentes, eles devem ser olhados como os primeiros que aparecem no Google com as mesmas palavras chaves. Ao encontrar esses domínios, avaliar qual a estratégia deles pode ser uma oportunidade de pesquisa.

Existem ferramentas próprias para fazer esse tipo de comparação, principalmente entre sites diferentes. O Keyword Explorar e o SEMRush por exemplo, são ótimas opções para isso, mostrando as respectivas autoridades de cada página.

Além disso, as ferramentas também mostram os principais sites que aparecem, e quais suas notas de autoridade de domínio. Com isso, fica mais fácil avaliar a própria métrica e também montar estratégias para melhorar a relação com os buscadores e os concorrentes.

5.      Otimização SEO On Page

Os recursos de SEO são fundamentais para ter um bom ranqueamento nos buscadores. Sendo assim, saber como otimizar os conteúdos é fundamental. Portanto as técnicas On Page, conseguem alavancar o posicionamento do site, e isso é feito internamento.

A otimização interna é feita no conteúdo. Portanto, durante a criação, o conteúdo é adaptado para que os mecanismos de busca o encontrem. Trata-se de melhorar sempre o uso de distribuição de palavras chaves e sua principal variante.

Práticas de escaneabilidade também favorecem o ranqueamento, assim como a hierarquização do conteúdo, linkagem das páginas internas, tags e meta description, etc. Tudo vai permitir que os algoritmos encontrem e analisem o conteúdo para qualificar da melhor maneira. Aumentando a autoridade do domínio.

6.      Parcerias com sites de tenham maior autoridade de domínio

Fazer boas parcerias também ajudam a aumentar a autoridade de domínio, principalmente se forem sites que tenham maior relevância. O Google percebe quando um site de qualidade faz uma indicação para outro e isso gera uma alavancagem no ranqueamento dos buscadores.

Para construir essa parceria, as estratégias podem ser várias. Desde textos que indiquem o site através de backlinks, até novos conteúdos compartilhados, o que chamamos de guest posts. Alguns assuntos podem favorecer esse compartilhamento de links.

Além disso, quando o Google entende que há uma preocupação com a qualidade dos conteúdos que são oferecidos ao usuário. Quando isso acontece, é comum que a autoridade de domínio comece a subir e as parcerias também vão melhorando entre os sites. A indicação de conteúdos parceiros funciona da mesma forma.

Portanto, criar textos que falem de um assunto e indicar outros conteúdos do seu próprio site, é uma das estratégias, assim como fazer os guest posts em sites parceiros. Tudo vai depender de uma conversa e negociação com os donos dos sites.

7.      Criar conteúdos relevantes e de qualidade

Em terra de otimização em SEO, o conteúdo é rei. É muito importante que os conteúdos e os textos criados sejam relevantes e tenham qualidade para que a autoridade de domínio também aumente.

Não apenas pelo ranqueamento do Google, mas para gerar e manter a audiência do público. Os usuários vão sempre priorizar textos bem escritos e que realmente informam e oferecem aquilo que estão procurando. Aliado a essas qualidades, os buscadores, conseguem ligar os usuários, sites parceiros e tudo o mais para melhorar o ranqueamento do site.

Criar conteúdo de qualidade é uma das primeiras estratégias para criar quando o intuito é melhorar a autoridade de domínio. Além disso, envolver o direcionamento do conteúdo para a persona, é o que faz toda a diferença.

As estratégias devem começar a ser montadas a partir dos conteúdos, tudo de forma alinhada com os objetivos e metas da marca e da empresa. O aumento da autoridade de domínio vem com o tempo e com todas essas técnicas aplicadas.

Qual a relação entre autoridade de domínio e SEO?

A autoridade de domínio se torna um dos elementos para SEO. Sendo assim, ele influencia no posicionamento de um site junto aos buscadores. Quando um domínio, um site, possui uma alta escala de autoridade, algo em torno de 100, existe mais possibilidade de que ele fique entre os primeiros colocados do Google, ou entre as primeiras posições.

Caso ele tenha uma nota menor, essa posição desce. Portanto, investir em medidas de SEO para melhorar essa autoridade, assim como a formatação para SEO, é essencial e importante para esse posicionamento. Criando conteúdos que alcancem o que precisa ser alcançado.

Além disso, conquistar autoridade leva tempo e exige que conteúdos sejam criados com experiência de otimização e formatação. Ao contrário do que muito se esperam é possível acelerar esse processo, mas ele não possui atalhos.

Como realizar a consulta de autoridade de domínio?

Existem algumas maneiras de fazer essa consulta, mas alguns especialistas analisam as próprias estratégias de SEO do site. Alguns fatores como a própria reputação e idade do site, que estão diretamente ligados a autoridade do domínio. Além disso, a quantidade de acessos e os links de referência também.

Sendo assim, várias práticas de SEO são avaliadas, para saber se o site possui autoridade no seu nicho. A variedade dos conteúdos e como ele é distribuído no site, também é levado em consideração. Existem ferramentas que estão disponíveis para fazer essa checagem de autoridade.

Além da checagem do domínio, também fazem checagens de páginas e das visitas que essas páginas recebem. Sendo assim, relatórios são criados e as métricas avaliam o nível de SEO e de autoridade do domínio.

O SemRush é uma ferramenta especializada nisso, assim como o Ubersuggest também. Ambas são bastante úteis para fazer essa verificação e assim, mostrar a autoridade atual de cada tipo de site e a sua evolução com o passar do tempo.

Para melhorar SEO e saber como está a autoridade de um site, usar as ferramentas para fazer essas medições é fundamental para criar estratégias mais assertivas. Além disso, também permite que os subdomínios e páginas específicas sejam avaliadas, para descobrir como anda a estratégia digital de todo o site ou blog.

Como fazer SEO para Youtube?

Ao longo deste artigo até aqui, foi possível conhecer e entender mais sobre o conceito de SEO para sites e blogs. Aprendendo também a importância dessas técnicas para gerar mais tráfego orgânico para o domínio, de forma gratuita.

Sendo assim, essas estratégias também podem ser direcionadas e usadas em outras plataformas como o Google. É o caso do Youtube. A plataforma de vídeos também possui algoritmos que contam com robôs e inteligência artificial para ler os conteúdos. Portanto, é possível e necessário fazer a otimização desses conteúdos em vídeo por lá também.

Como o intuito de elaborar uma otimização é ficar entre as primeiras posições de busca, no Youtube, essas técnicas também influenciam diretamente. Contudo, as práticas são diferentes, mas possuem a mesma finalidade.

Investir em técnicas de SEO para melhorar a distribuição de conteúdo no Youtube e também o seu posicionamento nas buscas, é fundamental para estar entre os vídeos recomendados. Na internet, o Youtube é uma das plataformas mais acessadas pelos navegadores, conseguindo alcançar bilhões de visualizações diariamente.

Além disso, o marketing orgânico favorece a empresa. Por ser uma plataforma gratuita, pode ser capaz de gerar alto valor e resultados incríveis para a marca e o negócio. Tudo vai depender da maneira como ela é usada e trabalhada para se destacar.

Técnicas de SEO para Youtube

Saber como manter a audiência através de vídeos acaba sendo um trabalho e tanto. Por isso, fazer esse trabalho e não otimizar esse conteúdo para atrair visibilidade, é desperdiçar tempo. Para ajudar durante esse processo, existem algumas formas simples de conseguir mais inscritos, engajamentos e visualização na plataforma, usando as práticas de SEO.

Um dos principais pontos é estudar e observar a palavra chave. Está incluído dentro das estratégias de SEO, o Search Listening também para a persona. Portanto, encontrar temas para fazer nichos que atraiam o público alvo, é o primeiro passo.

A criação de títulos otimizados também favorece o ranqueamento. Eles devem ser curtos, com o no máximo 55 caracteres, objetivos, sem polêmicas ou com intenção de chocar e provocar a curiosidade.

Durante o decorrer da publicação do vídeo, é preciso usar tags que sejam certeiras para aquele assunto. As tags funcionam como se fossem palavras chaves secundárias. Sendo assim, elas também se enquadram nas práticas de SEO e favorecem as buscas. Mas cuidado, o Youtube não recebe tags quando são usadas em excesso.

Faça uma boa descrição do seu vídeo no campo indicado. Muita gente e muitos canais negligenciam essa parte importante. É nessa caixa que informações como redes sociais, site, formas de contato devem ser deixadas para gerar engajamento com o público.

Além disso, a descrição do vídeo também deve conter a palavra chave sobre o assunto logo na primeira frase. Existe um limite de caracteres que deve ser respeitado e usado de forma estratégica. A descrição deve servir como um resumo do que será encontrado no vídeo. Usar esse campo com inteligência pode gerar mais resultados.

O que é SEO local? e qual a importância dele?

Quando se fala em SEO local, o termo se refere a um conjunto de estratégias de otimização. Bem semelhando ou até a mesma coisa que o SEO que foi visto até aqui para a otimização de sites.  Tudo tem a finalidade de melhorar o posicionamento nos mecanismos de busca.

Contudo, a diferença entre o SEO local está em sua otimização com relação a regiões específicas ou uma localidade própria. Por exemplo, quando alguém faz uma busca por um restaurante, uma loja específica, entre outros, o Google entende que o usuário está procurando algo que esteja próximo.

Sendo assim, a pesquisa vai encontrar resultados que estejam perto da localidade daquela pessoa. Portanto o algoritmo vai fazer um filtro para os resultados que estão sendo exibidos próximos aquela localização.

Isso também acontece quando o usuário se encontra fora da sua localização normal e está fora da cidade. O Google consegue visualizar a localização do usuário e faz a busca do que ele deseja na região em que ele está.

Esse tipo de serviço é fundamental tanto para o usuário que está procurando por algo específico próximo, quando para empresas que querem ser visualizados pelo mecanismo de busca. Portanto ter um site otimizado com SEO local e que seja responsivo para smartphones, é fundamental.

Qual a importância de usar SEO local?

Além da visibilidade imediata por um possível cliente que está próximo, usar SEO local aumenta a visibilidade do negócio. Sendo assim, tanto a otimização quanto as estratégias devem ser criadas dentro da otimização tradicional, mas com foco no geomarketing.

O geomarketing nada mais é do que reunir informações de geolocalização com práticas e técnicas de SEO para divulgar uma empresa ou um estabelecimento. O planejamento é feito com base em alguns recursos que usa os dados locais em páginas de resultados (SERP) para mostrar ao usuário.

Além disso, algumas ferramentas gratuitas também podem ser usadas para que a empresa seja mostrada e exibida em recomendações locais. O Google meu Negócio pertence a empresa, e usa o Google Maps também como auxiliar para colocar o negócio nos resultados.

Para isso, é necessário cadastrar os serviços oferecidos pela empresa ou estabelecimento, e incluir também uma categoria de atuação. Existem muitas vantagens em usar esses recursos, principalmente pela visibilidade que o local passa a ter.

Sabem se planejar e organizar a estratégia, é possível até realizar publicações e organizar eventos, deixando os usuários próximos por dentro das novidades. Contudo, vale ressaltar que é necessário manter esses dados sempre atualizados, como telefone de contato, endereço, etc.

Outro ponto importante se dá, pelo relatório que a plataforma manda todo mês, para ser feita uma análise das buscas que tenham relação com a marca. Pelo Google Meu Negócio, também é possível ter dados completos sobre a empresa e as buscas dos usuários.

Criação de conteúdo local

A partir do momento em que a empresa começa a construir a sua presença digital, ela passa a ter mais visibilidade. Ao usar o SEO local, a empresa também pode passar a criar conteúdos locais, usando a palavra chave e assim, otimizar ainda mais o seu conteúdo, além de conquistar mais visibilidade.

Os blogs são ótimas opções para esse tipo de prática e aprender a usar as ferramentas e práticas de SEO é fundamental para percorrer esse caminho. Além disso, para tornar os artigos mais relevantes, é essencial saber como impactar o público, com informações locais.

A otimização é fundamental em qualquer aspecto de criação de conteúdo online. Ninguém quer estar na internet ou criar conteúdo para não ser visto. Portanto, tanto o SEO local quanto o tradicional, precisam ser bem aprendidos para que o desenvolvimento da estratégia seja eficiente e traga resultados.

SEO internacional: como realizar o processo de internacionalização da empresa?

Contudo, se a intenção da empresa é ganhar o Google mundial, é necessário realizar a internacionalização da empresa, do site ou do blog. Dessa forma, as páginas passam a aparecer para qualquer usuário em qualquer lugar do mundo.

O SEO internacional se trata exatamente disso, das práticas e técnicas usadas para tornar um site visto no Google, mundialmente. Para entender melhor como isso funciona, é preciso compreender que agora a competitividade acontece em nível global.

Portanto, na hora de começar a planejar as conquistas e fazer análise de concorrência, a lista vai ser maior. Além disso, pode ser que instalações da empresa possam ter que se adaptar. Por estar falando de um crescimento a nível mundial, é necessário projetar essa demanda. Isso deve servir como motivador, como uma grande oportunidade.

Independente de qual seja o porte da empresa, também é importante compreender que os concorrentes também são internacionalizados. O que indica que são mais competitivas e talvez mais produtivas. Mas nada impede que micro e pequenas empresas estejam lado a lado nos posicionamentos do buscador.

Para esclarecer como o processo funciona, é essencial entender que existem muitas vantagens e desvantagens nesse processo. Entretanto, essa é uma forma de romper fronteiras físicas para expandir.

Por que se tornar internacional?

Muitas empresas começam pequenas e tem planos ambiciosos para crescer e se tornarem grandes. Existem muitas vantagens nisso, assim como desvantagens. Contudo, a grande verdade é que o trabalho e o esforço tremendo de fazer um negócio crescer, costuma trazer grandes recompensas.

Sendo assim, cabe a cada um tomar as próprias decisões e criar as próprias metas de seu negócio. Mas quem está interessado em passar pelo processo de internacionalização e tem vontade de crescer e se diversificar, expandir, precisa aprender o SEO para isso.

Além disso, existem muitas capacidades a serem aprendidas quando o assunto é assumir um desafio dessa proporção. É necessário aprender e estudar todo o contexto do mercado internacional para saber onde está entrando.

Marketing de conteúdo em SEO Internacional

Existem dois pontos principais a se levar em consideração para a internacionalização de uma empresa. A estratégia de marketing de conteúdo em SEO Internacional e a programação técnica do site em questão.

O marketing de conteúdo em si não é muito diferente, mas terá estratégias mais específicas. Existem ações que podem facilitar o processo, principal frente aos concorrentes e ao entrar no novo mercado. O primeiro passo é ter um objetivo claro para começar a traçar um mapa de quais países deseja alcançar.

Em seguida, encontrar os principais competidores e conhecer o novo mercado. Na sequência é preciso descobrir e definir a persona, quem será o cliente em potencial. Analisar as palavras chaves mais usadas pelos concorrentes e criar conteúdos com o idioma local para o nicho escolhido.

Quando o SEO internacional é iniciado, muitos novos desafios na otimização voltam a aparecer. Entretanto, criar conteúdo traduzido pode não ser algo tão complicado assim quanto parece. Sendo assim, é preciso estudar corretamente e aprender as práticas normais, para depois partir para a internacionalização.

Estrutura técnica do site

Entretanto, a parte técnica do site exige um conhecimento um pouco mais específico e talvez até a contratação de um profissional capacitado. Em SEO internacional, é fundamental definir quais serão esses aspectos técnicos e assim, começar a montar a estrutura para o site, com servidor e localização específica.

Aspectos como ccTLD, subdiretórios e subdomínio, gTLD, parâmetros para modificação de URL, Hreflang, são pontos importantes para levar em consideração. Por isso, para fazer um bom trabalho e não ter empecilhos no meio do caminho, contratar um especialista pode ser a melhor opção.

Além disso, depois de definir o objetivo do SEO internacional, os esforços devem ser focados nos países direcionados. Sendo assim, iniciar em países que compartilham o mesmo idioma pode ter uma abordagem mais fácil. Principalmente para não ter que ficar traduzindo os conteúdos em várias línguas de início.

Contudo, é importante que com o tempo isso esteja pronto. Além disso, a parte técnica do site estando pronta, vários mecanismos ficam automatizados como a própria geolocalização do domínio. Esse processo exige muito conhecimento técnico, mas vale a pena no final.

E então, o que achou do nosso artigo? É claro que existem outras dezenas e centenas de regras e dicas SEO a serem ressaltadas. Mas, citamos as principais delas e que servem tanto para iniciantes como para aqueles que já entraram faz um tempo para o mundo da redação!

E você, possui alguma dica de SEO exclusiva? Compartilhe conosco!

Deixe seu comentário