Os principais tipos de bancos de dados existentes atualmente são Oracle, SQL Server, MySQL, PostgreSQL, MongoDB e NoSQL. No entanto, existem outros no mercado, mas não tão conhecidos.

Conhecer os tipos de banco de dados é um divisor de águas para consultores e especialistas da área. No entanto, fazer o uso de coleções organizadas de informações facilita a vida de diversos empreendimentos e serviços.

A tecnologia dos tipos de banco de dados é  uma evolução dos recursos organizacionais de dados que antigamente eram feitos manualmente. Em suma, levando ao “pé da letra” o conceito de banco de dados, os primeiros que surgiram na história da humanidade foram registros de bibliotecas. 

Outros exemplos foram os arquivos de fichas médicas, registros policiais e várias outras metodologias de indexação de informações mais “primitivas” do que as que hoje estão no mercado. É claro que a partir da modernização dos processos a partir da revolução info-tecnológica que surgiu a partir da computadorização de processos ligados à arquivologia, os bancos de dados evoluíram com o tempo.

E foi no ano de 1964 que surgiu o primeiro banco de dados que se assemelha ao conceito que temos hoje em dia. Charles Bachman foi seu criador e o responsável pelos primeiros trabalhos de informatização de banco de dados.

Em suma, seu modelo apresentava representações de coleções de registros e relacionamentos a partir de links. Assim sendo, Charles inovou trazendo diagramas constituídos por caixas e linhas. E isso foi apenas o princípio da “revolução dos bancos de dados” para que viessem a se tornar o que conhecemos hoje.

Na época, IBM apresentou o melhor modelo adaptado à proposta e Charles a partir do modelo SABRE. Mas hoje é possível notar uma grande evolução no formato desses sistemas. A ponto de a maioria das empresas implementarem sistemas de banco de dados para suas atividades.

Neste artigo, falaremos sobre:

  • O que é um banco de dados?
  • Quais são tipos de banco de dados?
  • Diferença entre banco de dados relacional e não relacional.

O que é um banco de dados?

Antes de falar sobre os tipos de bancos de dados, é importante abordar o conceito geral.  Em suma, um sistema de banco de dados trata-se de um conjunto de informações interligadas e um grupo de suportes lógicos para acessá-las. Aliás, esse é um recurso muito importante para muitas empresas que confiam informações importantes a esses sistemas.

Então, resumindo, um banco de dados é a informatização do manuseio de registros. Assim como proposto anteriormente, um banco de dados é a modernização dos processos de manutenção e leitura de arquivos.

Mas além do conceito de banco de dados, é de suma importância trazer à tona algumas expressões pertinentes para o entendimento do assunto.

A primeira delas é “persistir”. Apesar de ser um verbo usado para outras finalidades na língua portuguesa, dentro dos conhecimentos de banco de dados, “persistir” tem outra significância. Esse termo relaciona-se com dados que se conservam ou não em um sistema informacional.

Um exemplo claro disso são dados salvos na memória RAM e dados salvos em disco rígido (HD). Enquanto um dado salvo na memória RAM pode ser perdido a partir do desligamento do aparelho em que esses dados estão contidos, dados salvos em um HD persistem.

Ou seja, são dados que continuam existindo mesmo com o desligamento de um computador ou qualquer outra plataforma que seja. A partir disso, é possível introduzir que o processo executado por um banco de dados é fazer com que arquivos persistam.

Ou seja, sistemas como esse são responsáveis por gravar dados em uma memória de longo prazo. Assim, informações importantes não são perdidas e seguem gravadas para acessos posteriores.

Quais são os tipos de bancos de dados?

Essa é uma das principais dúvidas entre leigos e administradores de bancos de dados: quais os principais tipos de banco de dados? Isso porque existe uma vasta gama de tipos de bancos de dados. Todos possuem especificidades que os tornam diferentes entre si. Mas, em geral, podem se dividir entre bancos de dados relacionais e não relacionais.

Ter o entendimento de cada uma das divisões e os tipos de banco de dados é um fator que pode fazer toda a diferença para quem tem a pretensão de usar recursos como esse em um negócio. Por isso, aqui estão os tipos de bancos de dados:

  • Modelo relacional – Organiza dados em forma de tabela. Muito útil para aqueles que não possuem conhecimento aprofundado em programação por possuir uma linguagem declarativa.
  • Modelo não relacional  –  Este organiza dados a partir de uma configuração horizontal. Esse tipo de banco de dados pode ser muito útil para análise de dados semiestruturados.

Enfim, a partir da apresentação das divisões de banco de dados é possível introduzir seus  tipos e suas especificidades. O primeiro é o banco de dados de código aberto. O exemplo notável desse é o MySQL. Sua principal característica é o gerenciamento de dados por diversos usuários egressos a esse sistema de código livre.

Já o SQL Server é um modelo que tem como sua principal característica rodar apenas em sistemas operacionais Windows. Ou seja, é um banco de dados com condições de permissão delegadas à Microsoft. Essa é a principal escolha para a estruturação de bancos fora da Web.

Por fim, o último exemplo é o PostgreSQL. Suas principais características são a robustez, alta estabilidade e baixo custo para reparo. Esse é recomendável para lidar com grandes números de dados. Não à toa empresas como NASA e Apple fazem uso desse tipo de banco de dados. 

Quais são os exemplos de banco de dados?

Na seção anterior foram apresentados alguns exemplos de banco de dados. No entanto, existem outros além dos que foram mencionados. Por isso, além de comentar sobre os apresentados anteriormente, aqui estão detalhes sobre o Oracle e o DB2, dois outros tipos de bancos de dados mais usados hoje em dia.

Primeiramente, o Oracle. Esse surgiu na década de 80 e assim como o SQLServer, é um banco de dados relacional. Mas o que o difere das demais propostas do mercado é sua multifuncionalidade.

Ao passo que enquanto o SQL Server só pode ser implementado em sistemas operacionais Microsoft, esse pode ser implementado em diferentes sistemas operacionais. Além disso, apresenta uma alta escalabilidade. Ou seja, é um sistema de banco de dados capaz de ajustar sua capacidade de acordo com a demanda.

Enquanto o DB2 é o principal modelo criado pela IBM, ele ganha destaque  no mercado de banco de dados por ser passível de uso em diferentes plataformas. Além disso, é capaz de lidar com grandes quantidades de dados sem bugs ou entraves.

E no que tange o custo-benefício, esse é um dos sistemas de banco de dados mais econômicos. Um aspecto sobre DB2 e IBM é que desenvolvedores podem obter a versão Community do DB2. E falar sobre isso é importante pelo fato de que é uma versão gratuita desse sistema de banco de dados.

Ainda que seja limitada, quando posta em comparação com a full version do DB2, é mais uma mostra que a intenção da IBM é fornecer um sistema de qualidade partindo da premissa de acessibilidade financeira.

Agora, retornando a outros aspectos sobre DB2, esse produto da IBM oferece processos de encriptação nativa e scripts de recuperação de backups. Um verdadeiro poupa tempo para consultores de bancos de dados e profissionais de T.I.

Banco de Dados Relacional e Não Relacional

Anteriormente, uma introdução aos conceitos de bancos de dados relacionais e não relacionais foi apresentada. Mas como os termos foram abordados de forma breve, é pertinente fazer uma abordagem mais ampla.

Assim esse conhecimento, ainda que complexo para leigos na área, pode ficar claro. Ainda que a intenção deste artigo não seja a de destrinchar o assunto, tornar o entendimento de conteúdos complexos em algo mais simples também é uma das propostas de nossa agência.

Aliás, contamos com diversos artigos explicando conceitos de T.I de forma bem objetiva para o melhor entendimento de todos. Sem mais delongas, os bancos de dados relacionais são sistemas capazes de fornecer acesso a dados interligados por pontos em comum.

Além disso, assim como qualquer banco de dados, tem como principal função o armazenamento de dados. Mas isso é mera trivialidade. Um exemplo para tornar o entendimento mais fácil: o uso do banco de dados relacional por uma empresa de vendas.

O banco de dados relacional é organizado em tabelas. Uma empresa pode dividir em duas tabelas dados importantes. Na primeira: cliente , seu ID, formas de contato e informações pessoais. Na segunda: pedidos, produtos, quantidade, característica dos produtos e o ID do cliente.

E ao observar o único ponto em comum entre as duas tabelas (o ID, nesse caso), o banco de dados fica responsável por interligar ambas as tabelas. Justamente pela presença desse ponto em comum. Já o banco de dados não relacional apresenta uma maior facilidade para o manuseio de dados.

A partir dele é possível escalar com mais facilidade as operações ligadas ao manuseio de dados por usuários. E isso está ligado a sua principal característica: o fato de não aplicar o uso de tabelas para a organização dos dados. Ou seja, dá mais liberdade para o manuseio de informações.

Qual o melhor sistema de banco de dados?

Bom, antes de responder essa pergunta é importante trazer à tona alguns aspectos. O primeiro deles é que estipular o melhor banco de dados só é cabível ao observar as necessidades daquele que pretende fazer o uso de um banco de dados.

Afinal, o que pode ser útil para um usuário de banco de dados pode não ser para outros. Por isso, aqui estão três aspectos a serem levados em consideração para a escolha do melhor banco de dados de acordo com as próprias necessidades.

São eles: a segurança; as necessidades que demandam um banco de dados num negócio; e as perspectivas de crescimento de um negócio no futuro. A começar pelo conhecimento da demanda de um negócio por um banco de dados. Um empreendimento de pequeno ou médio porte pode funcionar muito bem com opções open source

Afinal , além da grande parte desses sistemas abertos serem gratuitos, como é o caso do MySQL, eles oferecem uma vasta possibilidade de customização.  E ambos aspectos podem contemplar positivamente negócios desses portes que não precisam lidar com grandes quantidades de dados.

Por se tratarem de sistemas que oferecem recursos que viabilizam o manuseio fácil por pessoas leigas, como funcionários em treinamento, esse é mais um ponto positivo.

Agora, tratando-se de negócios que lidam com informações que merecem descrição, como é o caso de lojas virtuais que salvam dados de crédito, é importante trabalhar com sistemas mais robustos. 

No caso, trabalhar com sistemas de bancos de dados com restrições de permissão, como é o caso do SQL Server. Por fim, levando em consideração o aspecto de crescimento do negócio a longo prazo, a melhor escolha seria a de bancos de dados que oferecem facilidade na lida com muitos dados ao mesmo tempo, assim como a escalabilidade do armazenamento de dados.

Banco de Dados Oracle

Atualmente, Oracle é um dos tipos de bancos de dados relacionais mais usadas no meio corporativo. Isso se dá por diversos fatores. Mas principalmente pelo fato de que oferece compartilhamento de recursos, ser muito estável, contar com um bom suporte e trazer flexibilização no gerenciamento de dados.

Aliás, existem muitas versões diferentes do produto proveniente das soluções propostas pela Oracle. Mas a última versão conta com uma ampla gama de recursos que dão um diferencial a esse sistema de banco de dados.

Algumas das principais são: 

  • Melhorias nas operações de manutenção em tabelas particionadas;
  • Possibilidade de acesso a bases de infraestrutura local ou via nuvem;
  • Passagem de dados via Bind;
  • Novo assistente para atuar em conjunto com ADR para a coleta de traces e logs de falhas ocasionadas pela infraestrutura.

Enfim, Oracle está entre as melhores opções de sistemas de bancos de dados. Principalmente para empresas de grande porte.

Banco de Dados MongoDB

MongoDB é um dos tipos de banco de dados não relacional de código aberto. Ele é muito direcionado ao manuseio de documentos binários. Seu embasamento encontra-se no modelo JSON. Uma de suas principais características é o fato de que apresenta grande flexibilidade para consultas.

Além disso, entrega robustez no seu sistema de indexação de dados. Enfim, tudo isso leva à conclusão de que é uma ótima solução no que tange a integração com outros sistemas para soluções mais fáceis e rápidas.

O MongoDB é ideal para diversos tipos de portes de empresas. E entre alguns de seus usuários mais notáveis estão Globo.com, Linkedin e MTV. Atualmente, esse é o sistema de banco de dados NoSQL mais procurado no mercado.

Banco de Dados REDIS

Redis é a opção de gigantes da área de tecnologia, tais como Twitter e Snapchat. E isso não é por acaso. Entre as suas principais características estão a aplicação em Linux, que já é um grande diferencial para a maioria dos sistemas disponíveis no mercado.

Além disso, nele existe a implementação de chaves que viabilizam a facilidade ao lidar com mapeamento de diferentes tipos de dados armazenados. Outro aspecto interessante sobre o REDIS é a vasta gama de linguagens de código que podem ser associadas a ele.

Por fim, outro detalhe sobre o REDIS que vale ressaltar é seu sistema de replicação nativa que ajuda na recuperação de dados perdidos em caso de falhas. Ademais, sua ferramenta nativa Redis Sentinel é um recurso capaz de solucionar falhas sem a intervenção humana nos processos de manutenção.

Banco de Dados MEMCACHED

Esse é um exemplo de banco de dados um tanto quanto diferente da maioria das aplicações presentes no mercado. Diferente dos bancos de dados que fazem o armazenamento em disco ou SSDs, esse banco de dados contém as informações na memória.

Isso traz maior agilidade no acesso a dados evitando pesquisas demoradas por informações específicas. Seu tempo de resposta é inferior a 1 milissegundo. Ou seja, é um dos mais rápidos no mercado.

Além disso, devido a formação de sua arquitetura, esse é um dos sistemas de bancos de dados com melhor proposta de escalabilidade do mercado. Outro aspecto importante de comentar sobre esse sistema de bancos de dados é que apesar de possuir código aberto, possui maior maturidade do que muitos que tem essa mesma característica no mercado.

Portanto, é uma opção de grande robustez e segurança para o manuseio de dados. E isso deve ser uma preocupação. Principalmente após a Lei de Proteção de Dados.

Banco de Dados Cassandra

Por fim, mas não menos importante, está o sistema de bancos de dados oficial do Facebook. Cassandra é atualmente a segunda opção de maior procura no mercado quanto se trata de sistemas de banco de dados não relacionais.

Estando atrás somente do MongoDb, Cassandra oferece soluções que já estão em uso pela Netflix, Instagram, Spotify e, claro, o Facebook. Até mesmo a própria IBM, criadora do DB2 faz uso do sistema de banco de dados criado pelo Facebook.

Suas aplicações são direcionadas principalmente para empresas que precisam de customização de ponta e uma escalabilidade linear. Cassandra não apresenta nenhum ponto único de falha. Além disso, apresenta esquemas de tabela muito bem definidos, replicação extremamente confiável e modelos de dados flexíveis.

Contratar consultoria de banco de dados

Definir por conta própria qual é o melhor sistema de banco de dados é algo que nem todo empreendedor sabe. Aliás, dificilmente alguém fora da área de T.I, computação ou consultoria de banco de dados conhece bem sobre o assunto.

Por isso, contar com um profissional para indicar as melhores opções e tipos de banco de dados de acordo com as necessidades do negócio pode ser positivo. Não só isso. Um profissional que atua na área de banco de dados pode prestar consultorias capazes de implementar as melhores soluções para uma empresa.

Partindo da premissa que atualmente a informatização dos arquivos de dados de clientes, produtos, estoque, fornecedores e vários outros aspectos é uma realidade iminente, contar com alguém que preste esse tipo de serviço traz vantagem competitiva.

Uma empresa que não usa um sistema de banco de dados adequado, ou tampouco usa, pode ficar para trás frente a sua concorrência.

Afinal, um banco de dados é capaz de trazer muito mais do que armazenamento de informações. A partir do uso de um sistema como esse é possível ter maior agilidade em uma grande parte dos processos de uma empresa.

E contar com um profissional da área para contribuir com a manutenção, treinamento de funcionários e consultoria é um divisor de águas. Por isso, aqui na Visão Confiável nós contamos com uma equipe de profissionais qualificados prontos para ajudar nossos parceiros no que for preciso.

Contamos com técnicos comprometidos com a entrega da melhor prestação de serviço.  Nosso controle de qualidade leva em consideração o fornecimento do melhor serviço para nossos clientes. Por isso, ao precisar de profissionais de banco de dados de confiança, basta enviar uma mensagem em nosso WhatsApp para planejarmos o melhor orçamento para você.

Conclusão sobre os tipos de banco de dados

A partir deste artigo foi possível introduzir aspectos muito importantes com os tipos de banco de dados para o entendimento dos conceitos que permeiam o tema de banco de dados. No entanto, é compreensível que muitos podem ainda ter ficado com informações vagas em mente.

Por isso, recomendamos a nossa seção ligada a Tecnologia em nosso blog. Lá é possível encontrar detalhes sobre alguns dos sistemas de banco de dados que foram abordados no artigo.

Não só isso, contamos com uma grande variedade de textos em torno do assunto. Ademais, reconhecer a necessidade de um banco de dados é o primeiro passo para começar a modernizar processos de manutenção de dados em uma empresa.

Contar com sistemas que possuem décadas de existência e aprimoramento na gestão de dados, como é o caso do SQL Server e Oracle só tem a acrescentar no desempenho de uma empresa.

Ainda que negligenciados por empreendedores mais conservadores, ou talvez menos adeptos à modernidade, os bancos de dados são ferramentas indispensáveis para negócios hoje em dia. Pensar em uma empresa que ainda conta com arquivos impressos, um setor de arquivologia e poucos profissionais para lidar com demandas de dados é pensar no passado.

E num passado bem distante, visto que os sistemas informacionais de banco de dados vêm sendo usados há décadas com a intenção de implementar mais facilidade e praticidade à empresas na hora de lidar com dados.

Então, ao avaliar se é preciso ou não ter um banco de dados, levar em conta essas considerações finais do artigo podem trazer uma reflexão ponderada. Uma empresa de sucesso é aquela que consegue usar os mesmos recursos que todas, mas de forma mais eficiente e visionária. Então por que não implementar um sistema de banco de dados na sua?

Deixe seu comentário