Com ou sem acento? Junto ou separado? Com certeza essa dúvida já teve ter passado pela sua cabeça alguma vez. O uso dos porquês é uma dúvida constante ainda na cabeça de grande parte da população brasileira, mesmo quem já saiu da escola.

Embora pareça algo simples, a gramática da língua portuguesa ainda prega peça em muita gente. Principalmente por algumas regrinhas que precisam ser aprendidas e as vezes até decoradas.

O uso dos porquês é um desses casos. Para quem tem dúvida sobre como usar os diferentes tipos de porquês, existem algumas dicas que podem facilitar essa memorização.

Dentro da norma culta do Português, as regras estão diretamente ligadas ao que foi ensinado lá na escola. É linguista e se a intenção é escrever corretamente, essas regras precisam ser seguidas a risca.

Quem trabalha com escrita, ou está prestes a prestar um vestibular ou concurso, precisa conhecer essas regras e o que pode ou não pode ser usado. Qual o lugar de cada um e porquê.

Para conhecer um pouco mais sobre as regras da língua portuguesa, e entender como fazer o uso dos porquês de maneira correta, continue lendo.

uso dos porquês

Quando se deve fazer o uso dos porquês?

Antes de começar a explicar as regras e para que elas servem, é essencial entender quais são as suas aplicações. No caso do uso dos porquês, é preciso entender em que situações eles podem ser usados.

Os porquês podem aparecer em frases e em um texto, em alguns casos específicos, como é o caso de perguntas, frases interrogativas, ou quando se inicia uma frase causal subordinada. Nesse caso, as que são coordenadas explicativas também levam a palavra.

Nas frases que usam palavras substantivadas também é comum aparecer. Nesse caso, pode surgir muitas dívidas. Principalmente pelo termo substantivada. Porém, se trata de substantivos que pertencem exatamente a essa classe. Não são exatamente substantivos, mas possuem mesma função dentro do contexto.

Vai ser possível identificar o porquê usado dessa maneira, quando ele estiver sendo usado como “substantivo”, por exemplo. A grande diferença nesse caso, é que normalmente ele é acompanhado de um artigo ou pronome. Tudo vai depender da frase e de como ele aparece.

Como podem ser usados?

Os porquês podem ser usados dentro dos contextos que foram mencionados acima. Além disso, existem as maneiras corretas que eles devem ser introduzidos na frase. Para saber como fazer o uso dos porquês, acompanhe.

Existem 4 tipos de porquês diferentes. Eles são facilmente identificáveis. Sendo os porquês juntos, “Porque” e “Porquê”, e os separados “Por que” e “Por quê”. Cada um deles se encontra em lugares diferentes em uma frase, assim como suas funções também podem variar.

Em resumo, pode-se dizer que o uso dos porquês funciona de uma forma bastante simples. Por exemplo, o porque junto e sem acento “porque”, é usado como explicação, causa. Normalmente aparece em frases afirmativas.

Já o “por que” separado e sem acento também serve para afirmações, porém ainda é uma palavra interrogativa. Uma dica para facilitar a identificação para usar esse tipo, é substituir na frase, por “pelo qual”. Se a frase funcionar assim, então é “por que” separado e sem acento.

Quando falamos anteriormente sobre palavra substantivada, o “porquê”, junto e com acento, se encaixa aqui. Essa relação merece uma explicação mais detalhada, que será dada logo mais a frente.

Enquanto isso, o “por quê” separado e com acento é uma palavra interrogativa, que serve principalmente para questionar. Mas nesse caso, ele sempre aparece no final das frases.

Para entender melhor como cada um deles funciona na prática, existem regrinhas que podem ser aprendidas e memorizadas. Saber o momento certo, de como e quanto se pode fazer o uso dos porquês de maneira correta, é fundamental para escrever corretamente.

Por isso, a grafia de cada um deles, precisa ser muito bem detalhada para que não hajam dúvidas. Vale ressaltar que o contexto de cada frase é importante ser avaliada antes de aplicar um dos quatro tipos de porquês.

Dica extra

Dentro das regras da Língua Portuguesa, existem muitas regrinhas que precisam ser memorizadas. Essa é uma foram de aprender e nunca mais esquecer. No caso do uso dos porquês, não é diferente.

As regras que envolvem o uso dessas quatro palavras, podem ser básicas, mas necessárias. No caso do “por que” separado e sem acento, que é interrogativo, ele sempre vai ser escrito dessa forma, quando sua aplicação estiver relacionada a algum motivo ou razão.

No caso de “porque” junto e sem acento, ele tem característica explicativa. Sendo assim, sempre será escolhido quando o intuito for de substituir uma conjunção, igual à “como”, ou “pois”. Quando estiver alegando uma casualidade, nunca terá acento.

Contudo, o “porquê” junto e com acento precisa de algumas considerações. Levando em conta que esse tipo de porquê leva um acompanhante substantivado junto. Nesse caso ele é usado. Sempre no final da frase.

Agora para explicar como usar o “por quê” separado e com acento, não há muitas dificuldades. Ele é um dos mais fáceis de todos os demais. Já que é usado em perguntas, no final do questionamento. Sempre também, quando estiver representando um motivo ou uma razão. Esse é o seu grande diferencial, inclusive, nem sempre ele aparece seguido de ponto de interrogação e isso pode causar um pouco de dúvidas.

O uso dos porquês normalmente é identificado através da pontuação inicialmente. Quando há uma pergunta, mesmo que implícita. Nesse caso, se a palavra estiver posicionada no final da frase, ele é separado e com acento.

Exemplificando o uso dos porquês

Com tantas particularidades, a gramática da língua portuguesa pode confundir algumas pessoas com tantas regras. Mas nada melhor para entender como determinada regra funciona, senão através de exemplos práticos.

Para entender melhor, como fazer o uso dos porquês de maneira correta, algumas frases podem esclarecer e eliminar essas dificuldades. Contudo, além das frases, leia com atenção a teoria de suas funcionalidades. Acompanhe.

1.      Por que

O “por que” separado e sem acento, pode ser usado de formas diferentes. Em três versões para ser mais claro. No começo das frases, para iniciar uma pergunta, para substituir a palavra “pelo qual”, ou para substituir “por que razão”, ou “por que motivo”. 

“Por que você me trata assim?”

“Não sei por que isso só acontece comigo.”

“Por que seu pai não lhe deixou faltar à escola?”

“Gabriel me mostrou os motivos por que não quis me dar a bola.”

“Não há por que se irritar com esse problema.”

“Não tem por que ficar feliz com alguém que te trata dessa forma.”

“Eu não entendo por que ainda me importo com o que ele faz.”

uso dos porquês

2.      Por quê

O uso dos porquês que faz o uso do tipo separado e com acento, o “por quê”, tem apenas a função de aparecer ao final da frase, para concluir um questionamento. Lembrando que a frase pode ou não ter o ponto de interrogação.

“Eu te amo e nem sei por quê.”

“A senhora ainda não foi ao mercado por quê?”

“Julio foi embora e nem disse o por quê.”

3.      Porque

Já o “porque” junto e sem acento, representa um motivo. É usado quando se quer alegar a razão para algo. É um dos quatro mais usados na língua portuguesa, principalmente por ser usado nas respostas.

Colo seu significado representa as razões, é comum que ela seja usada para complementar uma resposta dada.

“Porque eu estava triste resolvi não sair de casa.”

“Ainda não terminei o trabalho porque estou sem internet.”

“Os animais carnívoros se alimentam de suas presas porque precisam sobreviver.”

“Nunca mais vou a loja de móveis porque fui mal atendida.”

4.      Porquê

A versão do “porquê” escrita junta e com acento, tem uma funcionalidade diferente. Por ser uma palavra substantivada, ela sempre estará acompanhada de um pronome ou artigo. Como esse porquê funciona como um substantivo, o uso dos porquês nesse caso precisa ser explicado com mais atenção.

Para entender melhor como ele funciona tendo a função de um substantivo, veja as frases a seguir.

“Deve ter um porquê sobre esse tipo de falta no jogo de futebol.”

“Acredito que para tudo na vida exista um porquê diferente.”

“Não sei o porquê ele fez isso com você.”

“Quando eu encontrar o porquê de ter que aturar isso ou vou resolver.”

uso dos porquês

Como substitui os porquês?

Outro ponto importante para aprender a fazer o uso dos porquês é através das substituições. Em outras palavras, isso sendo um tipo de macete para memorizar e entender, qual tipo de porquê se deve usar em cada uma das situações.

Por que

Sendo assim, para substituir o “por que” separado e sem acento, tem o seu significado. Sendo assim, ele pode ser substituído em uma frase pelas expressões: “pelas quais/pela qual/pelo qual/ pelos quais”.

“A liberdade financeira faz parte das coisas por que eu lutei para chegar onde cheguei.”

A liberdade financeira faz parte das coisas pela qual eu lutei para chegar onde cheguei.”

“Não me admira que os motivos por que eu choro, incomodem as outras pessoas.”

“Não me admira que os motivos pelo qual eu choro, incomodem as outras pessoas.”

“Os caminhos por que passei eram repletos de pedras.”

“Os caminhos pelos quais passei eram repletos de pedras.”

“Por que motivo a lua é tão luminosa?”

“Por qual motivo a lua é tão luminosa?”

Porque

Para substituir o “porque” que é junto e sem acento, é preciso usar uma conjunção. Como esse tipo de porquê tem significado de explicação de causalidade, ele pode ser substituído por “em razão de”, “já que”, “uma vez que”, “visto que”, e assim sucessivamente.

“Junior fez o que fez, porque já havia cansado de procrastinar!”

“Junior fez o que fez, em razão de que já havia cansado de procrastinar!”

“Julia está em emburrada porque Bruna não quer devolver sua boneca.”

“Julia está emburrada, em razão de que Bruna não quer devolver sua boneca.”

Ela passou mal porque descobriu que estava grávida.”

Ela passou mal em vez que descobriu que estava grávida.”

“Porque discuti com ela sobre sua afirmação, ela me bloqueou no WhatsApp.”

“Já que discuti com ela sobre sua afirmação, ela me bloqueou no WhatsApp.”

estudo

Por quê

No caso do “por quê” separado e com exemplo, sua expressão tem o significado de pergunta. Contudo, pode ser substituído pelas expressões “Por qual motivo” ou “Por qual razão”. Por ser usado sempre nos finais das frases, nem sempre eles aparecem seguidos do ponto de interrogação.

Essa é uma dúvida muito comum entre as pessoas. Já que ao não ver o ponto de interrogação, não conseguem ver o sentido de questionamento da frase e assim, confundem o uso dos porquês.

“Estou tão triste e nem sei dizer por quê!”

“Estou tão triste e nem dizer por qual motivo!”

“Ele não veio trabalhar no sábado de manhã e eu sei por quê.”

Ele não veio trabalhar no sábado de manhã e eu sei por qual razão.”

“O show foi cancelado e os organizadores não falaram nada sobre devolver o dinheiro por quê?”

“O Show foi cancelado e os organizadores não falaram nada sobre devolver o dinheiro por qual razão”.

Porquê

Para facilitar a identificação do uso do “porquê” junto e com acento, é possível substituir na frase, pelas palavras “motivo” ou “razão”. Como ele é considerado um substantivado, ele precisa ter essa função na frase também.

– “O Presidente precisa explicar o porquê de suas atitudes.”

“O Presidente precisa explicar a razão de suas atitudes.”

“Estou em busca de um porquê para explicar a minha depressão.”

“Estou em busca de um motivo para explicar a minha depressão.”

“Esses porquês não são o suficiente para explicar este rompimento.”

“Esses motivos não são o suficiente para explicar este rompimento.”

“São muitos porquês sobre essas atitudes impensadas sobre o evento.”

“São muitos motivos sobre essas atitudes impensadas sobre o evento.”

A importância de escrever corretamente

Aprender a escrever corretamente é essencial para uma série de atividades importantes ao longo da vida. Desde prestar vestibular, um concurso, ou até mesmo escrever um projeto para apresentar no trabalho.

Sendo assim, aprender o uso dos porquês, entre outras regras da Língua Portuguesa é uma ótima forma de ocupar o tempo e também aprender a usar corretamente a gramática e a grafia das palavras.

A leitura é uma ótima facilitada para ensinar a escrever e também identificar erros de concordância e ortografia. Além disso, existem outras ferramentas que auxiliam a escrever de maneira correta, porém, aprender a língua, ainda é o mais eficaz.

Uma das principais regras para saber como escrever corretamente, é despertar o interesse na leitura. Depois disso, praticar bastante e sempre que surgir dúvidas sobre o uso dos porquês ou qualquer outra, buscar resolver.

A língua escrita, exige a norma culta muitas vezes. Por isso, para ter sucesso é preciso aprender e praticar. Sem contar, na importância de ler e reler várias vezes o texto escrito. Somente assim é viável aprender com os erros.

Até adquirir confiança, é comum que dúvidas apareçam e alguns erros aconteçam. No caso do uso dos porquês, suas explicações tornam a teoria mais simplificada, com isso, basta ir praticando, até que o conteúdo fique memorizado na cabeça.

porquês

Um breve resumo sobre o uso dos porquês

Para continuar a entender e memorizar o real intuito e as regras para o uso dos porquês, veja mais uma vez, um resumo de como cada um deles é usado. Contudo, identificar o seu uso em uma frase, tem essas teorias em mente é sempre importante, para não errar mais.

Por que: é interrogativo e tem como o intuído de representar a razão e o motivo pelo qual algo que está sendo questionado. “Por que eu tenho que ir ao médico?”. Nesse sentido a palavra “por que”, separada e sem acento pode ser substituída pelas expressões “Por qual motivo”, “por qual razão”, etc.

Por quê: também interrogativo, porém nesse caso, essa versão do uso dos porquês aparece sempre no final da frase. O “por quê” separado e com acento também tem o significado de causalidade, de investigação. Sendo assim, pode ser substituído por “Por qual motivo”, “Por qual razão”.

Porque: essa versão serve para explicar, mostrar a causa e razão de algo ou alguém. Portanto a versão do “porque” junta e sem acento pode ser substituída por “já que”, “em razão de”, “visto que”, “pois”. Dessa forma o significado explica ou responde uma pergunta.

Porquê: usado também como substantivo, o “porquê” junto e com acento, tem significado de “razão” ou “motivo” e por isso, quando substituído por essas palavras, leva essa versão, dentre o uso dos porquês.

Conclusão

Deu para perceber que embora esse assunto do uso dos porquês pareça complicado, quando as regras são entendidas, fica fácil. Ao aprender a fazer a troca pelas outras dá para identificar de forma facilitada, qual deles usar.

Para treinar ainda mais a identificação de cada um dos tipos, é essencial fazer uma boa leitura com atenção. Além disso, fazer exercícios gramaticais e concordância, também podem ajudar a aprender mais sobre a Língua Portuguesa.

Saber escrever corretamente facilita a criação de conteúdo, o desempenho em vestibulares e também abre portas. Por isso, é tão importante estudar e treinar essas habilidades, assim como aprender o uso dos porquês.

Deixe seu comentário